Pau-Brasil, Entorno de Júpiter e Peroba na antessala do pré-sal

Áreas da Bacia de Santos podem ser oferecidas pela ANP nas próximas rodadas de licitação

Sabrina Valle, da Agência Estado,

26 de julho de 2013 | 16h40

RIO - Libra, Pau-Brasil, Entorno de Júpiter e Peroba foram as áreas oferecidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) ao governo para serem ofertadas na primeira rodada do pré-sal. A decisão de leiloar apenas Libra foi tomada após estudos sísmicos indicarem que a área pode abrigar, sozinha, reservas estimadas para as outras quatro juntas. Os outros prospectos podem ser reconsiderados em próximas rodadas, segundo já informou a ANP.

A lista das áreas, que ainda não havia sido divulgada, foi revelada em relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) do mês passado, que dispunha sobre ações necessárias para a realização do leilão.

"A ANP informou que vem desenvolvendo continuamente estudos na área do pré-sal, sendo que já dispõe de quatro áreas aptas a serem ofertadas na primeira licitação no regime de partilha da produção (Libra, Pau-Brasil, Entorno de Júpiter e Peroba)", diz o relator Raimundo Carreiro.

Até maio, a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, dizia que a cesta de áreas sugeridas pela agência somava cerca de 40 bilhões de barris "in situ" (a quantidade total de uma jazida, não apenas aquela que é recuperável). Lembrou que, numa média grosseira, cerca de 25% deste óleo conseguem ser recuperados, o que poderia indicar 10 bilhões de barris para extração.

O resultado de sísmica em 3D recebido nas semanas seguintes mostrou que Libra poderia ter sozinha os 40 bilhões "in situ". A agência calcula haver entre 8 bilhões e 12 bilhões de barris recuperáveis na área.

O Plano Plurianual da União Federal para o período de 2012 a 2015, instituído pela Lei 12.593/2012 (PPA 2012 2015), estabeleceu a meta de realizar duas rodadas de licitações em áreas do pré-sal no regime de partilha da produção até 2015, destaca o TCU.

Todas as quatro áreas estão na Bacia de Santos. Mas, Magda já manifestou publicamente ter sugerido que rodadas do pré-sal não sejam realizadas com periodicidade menor do que a cada dois anos.

O prospecto Pau-Brasil está em lâmina d'água de cerca de 2,2 mil metros, a cerca de 300 quilômetros ao sul do Rio e aproximadamente 10 quilômetros a leste/sudeste da descoberta Júpiter.

O prospecto Peroba fica em lâminas d'água de cerca de 2,1 mil metros, a cerca de 300 km ao sul da cidade do Rio de Janeiro, na mesma direção do gigante campo de Lula (ex-Tupi).

Peroba e Pau-Brasil foram considerados prospectos de dimensão intermediária, segundo relatório da Gaffney, Cline & Associates feito para a ANP, de setembro de 2010.

Júpiter, incluindo o entorno, está a lâmina d'água de aproximadamente 2,2 mil metros de profundidade, cerca de 300 km ao sul da cidade do Rio de Janeiro. Júpiter está contido parcialmente no Bloco BM-S-24.

Segundo a Gaffney, a proximidade de Pau Brasil com a descoberta Júpiter e a localização estrutural similar dos mesmos em relação ao profundo baixo da bacia sugere que Pau-Brasil pode ser análogo a Júpiter e conter altos níveis de CO2 e um óleo mais pesado (18º API).

O relatório estimou na época que o óleo original "in situ" para o entorno de Júpiter varia de 1,21 bilhão e barris (baixa estimativa) a 2,57 bilhões de barris (alta estimativa), sendo a melhor estimativa de 1,83 bilhão. A Gaffney estimou que o Entorno de Júpiter poderia produzir cerca de 335 milhões de barris.

Tudo o que sabemos sobre:
pre sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.