Paul Krugman ganha Nobel de Economia

Economista americano formulou teoria que integra comércio e geografia econômica

Redação com agências internacionais,

13 Outubro 2008 | 08h49

O economista norte-americano Paul Krugman venceu o Prêmio Nobel de Economia, edição 2008, por sua capacidade de "analisar os padrões do comércio e localizar a atividade econômica". Segundo a Academia Real de Ciências da Suécia, Krugman, de 55 anos, formulou uma nova teoria que determina os efeitos do livre mercado e da globalização, assim como as forças dominantes por trás da urbanização mundial. "Por meio desta teoria, ele integrou os campos de pesquisa em comércio internacional com geografia econômica", disse o comunicado da Academia.   Falando durante uma teleconferência com jornalistas, Krugman disse que foi pego de surpresa pela notícia. "Eu corri para tomar um banho para que eu pudesse participar da conferência. Eu liguei para a minha esposa e para meus pais. Ainda nem consegui tomar uma xícara de café", disse o economista. Krugman é professor de Economia e Relações Internacionais na Universidade Princetown, nos Estados Unidos, e mantém uma coluna no jornal norte-americano 'The New York Times'. É conhecido pelas críticas a política em geral, e em particular, econômica, ao presidente George W. Bush. Krugman é crítico da administração Bush por conta de políticas que ele afirma terem gerado a atual crise financeira.   O prêmio de Economia foi estabelecido nos anos 1960 e não fazia parte dos prêmios originais, criados no testamento de Alfred Nobel, em 1895. Krugman escreveu mais de 200 artigos e cerca de vinte livros. Seu livro International Economics: Theory and Policy é usado no estudo da economia internacional.   O anúncio do Nobel de Economia fecha o ciclo do Nobel neste ano, que foi iniciado na segunda-feira passada com o prêmio de Medicina, compartilhado entre o cientista alemão Harald zur Hausen - por ter identificado o vírus do papiloma humano - e os franceses Françoise Barré-Sinoussi e Luc Montagnier - pelo da Aids.Após o de Medicina, veio o de Física, para os japoneses Toshihide Maskawa e Makoto Kobayashi e o japonês naturalizado americano Yoichiro Nambu.Em seguida, foi anunciado o Nobel de Química, dado aos americanos Martin Chalfie e Roger Y. Tsien, além do japonês Osamu Shimomura, descobridores da proteína verde fluorescente (GFP).O de Literatura, na quinta-feira, foi para o escritor francês Jean-Marie Gustave Le Clézio, e o da Paz, na sexta-feira, para o ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari, por seu trabalho na mediação de conflitos internacionais em todo o mundo.Os vencedores receberão 10 milhões de coroas suecas (1 milhão de euros) no dia 10 de dezembro, aniversário da morte de seu fundador, Alfred Nobel, em cerimônias paralelas que realizadas em Estocolmo e Oslo.O Nobel de Economia é entregue desde 1968 e foi adotado pelo Banco Nacional da Suécia.   (Com BBC Brasil, Reuters e Efe)

Mais conteúdo sobre:
Nobeleconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.