Estadão
Estadão

Paulinho admite conversas sobre fusão da UGT com a Força Sindical

Deputado, no entanto, negou planos imediatos e disse que união das centrais sindicais seria algo a médio ou longo prazo; nova entidade superaria a CUT em arrecadação

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2016 | 11h20

SÃO PAULO - O presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira, o Paulinho da Força (SD-SP), negou nesta sexta-feira que a entidade tenhas planos imediatos de se fundir à União Geral dos Trabalhadores (UGT). Contudo, não descartou que haja conversas sobre o tema.

A eventual união de duas das três maiores entidades sindicais do País iria superar a Central Única dos Trabalhadores (CUT), em número de sindicatos e arrecadação. Juntas, Força e UGT congregariam 27% dos sindicatos e superariam em 50% a arrecadação da CUT. As conversas em torno da eventual fusão foram noticiadas pelo jornal Folha de S.Paulo, em sua edição de ontem, 19.

"Também fui informado pelo jornal. O Ricardo Patah (presidente da UGT) falou um pouco comigo sobre isso na semana passada. Ninguém é contra a unidade, mas essa não é uma discussão que está em curso hoje. É coisa para médio, longo prazo", afirmou.

Em uma plenária com sindicalistas em São Paulo, Paulinho, um dos principais líderes do Congresso pelo impeachment, afirmou que a Força terá uma "postura independente" durante o governo do presidente em exercício Michel Temer e reforçou que a entidade vai lutar por mudanças na Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.