Paulinho quer garantias para FGTS que será usado em fundo

O deputado Federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, advertiu nesta quarta-feira que, sem garantia para os recursos do FGTS que serão aplicados em um fundo de investimento de infra-estrutura, a Medida Provisória não vai passar no Congresso Nacional.Trata-se da Medida Provisória 349, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A MP autoriza a utilização de R$ 5 bilhões do superávit financeiro do FGTS para compor um fundo de investimento em infra-estrutura e permite que seja constituído um outro fundo, por intermédio do qual o trabalhador poderá aplicar em projetos novos em infra-estrutura. Paulinho terá na tarde desta quarta-feira uma nova rodada de reuniões com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, para tentar fechar um acordo em torno da matéria. Para o deputado é preciso ser conservador em relação à gestão dos recursos do FGTS. Ele reconhece, entretanto, que há resistência no governo em relação ao fato da Caixa Econômica Federal assumir o risco de eventuais prejuízos que o fundo venha a ter.Segundo ele, um sinal positivo nas negociações é a proposta feita por Marinho de antecipar a possibilidade de aplicação voluntária de 10% dos saldos das contas vinculadas individuais, que inicialmente estava previsto para só daqui a dois anos, e também a possibilidade sinalizada na reunião de ontem, de que os trabalhadores apliquem mais 10% do saldo das suas contas do FGTS em ações. Mas para o deputado isso não elimina a demanda por garantias dos R$ 5 bilhões que serão inicialmente aplicados no fundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.