Paulo Bernardo não vê problemas em ajuda do BNDES à Varig

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que não vê problemas na possibilidade de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ajudar a Varig, "se houver garantias e um processo transparente e bom para os dois lados". Segundo o ministro, como o BNDES é um banco que empresta para empresas, seria normal que ele financiasse a Varig.Paulo Bernardo informou que técnicos do Ministério do Planejamento estão acompanhando as negociações para encontrar uma saída para a Varig e acrescentou que "a situação é "muito difícil".O ministro assegurou que o governo não vai aprovar nenhuma solução que signifique "estatização da empresa ou colocar nela dinheiro público sem garantias". Mas afirmou: "É uma preocupação (do governo) não deixar que a empresa fique nessa situação insolúvel, até porque ela é importantíssima do ponto de vistas estratégico".Adiada decisãoA assembléia de credores da Varig votou hoje pelo adiamento da escolha do plano de recuperação da empresa para o próximo dia 26. A decisão foi tomada após o BNDES apresentar uma proposta de um plano alternativo para a companhia. Além da decisão sobre o plano de recuperação da empresa, foi adiada também para a eleição do representante dos trabalhadores, que deve acontecer antes do dia 26.A proposta para o adiamento da decisão foi do próprio BNDES. O diretor financeiro da Infraero, Adenauer Figueira Nunes, disse que o objetivo é ganhar tempo para que o BNDES possa apresentar um plano modificado de recuperação da Varig, no qual será possível alavancar recursos no curtíssimo prazo e, assim, dar condições para a recuperação da empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.