Edu Andrade/Ministério da Economia - 14/4/2020
Edu Andrade/Ministério da Economia - 14/4/2020

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Paulo Guedes anuncia Bruno Funchal no lugar de Mansueto Almeida como secretário do Tesouro

Nome do atual diretor de Programas do Ministério da Economia e ex-secretário da Fazenda do Espírito Santo foi divulgado nesta segunda; ele assume dia 31 de julho

José Fucs, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2020 | 14h10
Atualizado 30 de setembro de 2020 | 21h16

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já definiu quem será o substituto de Mansueto Almeida, Secretário do Tesouro Nacional, que anunciou decisão de deixar o cargo. O novo secretário, anunciado nesta segunda-feira, 15, será Bruno Funchal, de 41 anos, atual diretor de Programas da Secretaria Especial da Fazenda.

 

Segundo confirmou há pouco o Ministério da Economia, Funchal assume o cargo no próximo dia 31 de julho. Em nota, a pasta comunicou que iniciou o transição do comando, ocupado desde abril de 2018 por Mansueto Almeida.

"O Ministério da Economia agradece a Mansueto Almeida pelo compromisso com a equipe que chegou com o novo governo e por todo trabalho realizado à frente do Tesouro Nacional em prol do reequilíbrio das contas do País", diz o comunicado enviado pelo órgão.

Futuro secretário

Ex-secretário da Fazenda do Espírito Santo de fevereiro de 2017 a dezembro de 2018, no gestão de Paulo Hartung (sem partido), ele terá a missão de manter o rigor de Mansueto nas contas públicas no pós-pandemia, em linha com a filosofia de Guedes, calçada na austeridade fiscal.

Integrante da equipe econômica desde o início do governo Bolsonaro, Funchal teve participação ativa na elaboração do novo Pacto Federativo, que está em análise no Senado, e é também presidente do Conselho Fiscal da Caixa. 

Formado em economia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), PhD pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e com pós-doutrado pelo Instituto Nacional de Matematica Pura e Aplicada (Impa), Funchal é professor da Fucape Business School, em Vitória (ES), desde 2006, e foi diretor acadêmico da instituição em 2013. Sua área de especialização envolve macroeconomia aplicada, o mercado de crédito e a alocação de ativos.

Mansueto

Em entrevista ao Estadão no último domingo, 14, Mansueto disse que, depois de cumprir a quarentena exigida de ocupantes de cargos estratégicos no governo, deverá trabalhar na iniciativa privada. Segundo ele, não há motivo para preocupação com a política fiscal, porque a filosofia vai continuar a mesma.

"O grande fiador do ajuste fiscal é o ministro Paulo Guedes. Então não muda nada (no compromisso do ajuste)", afirmou. "Se fosse a situação que a gente tinha há dez anos, quando o secretário do Tesouro e o ministro da Fazenda tinham poder de, numa canetada, excepcionalizar (Estado ou município) para emprestar com garantia da União, teria motivo para se preocupar. Agora, inclusive tem o TCU (Tribunal de Contas da União), que é muito atuante. Para o ajuste fiscal não continuar, o Paulo Guedes teria de não estar lá e teria de mudar a Constituição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.