FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Paulo Rabello confirma que deixará BNDES para disputar eleições presidenciais

Romero Jucá quer indicar o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para o cargo no banco

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 17h44

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, confirmou nesta quinta-feira, 22, que deixará o comando da instituição até 7 de abril para ser candidato à Presidência da República nas eleições de outubro. Este é o prazo final estabelecido pela legislação eleitoral para que detentores de cargos públicos que disputarão o pleito deixem o governo.

"Estou decidido a disputar as eleições. O País aspira por cumpridores de missão. Acho, modestamente, que posso ser um", afirmou Rabello de Castro ao Estadão/Broadcast Político. A declaração marca a primeira vez que o executivo assumiu publicamente que deixará o cargo para disputar o Palácio do Planalto, embora a saída dele do comando do banco já fosse esperada no meio político.

+ BC quer poder de veto a indicações em bancos públicos

As articulações para substituição de Rabello já começaram desde fevereiro. Como mostrou o Estadão/Broadcast Político na segunda-feira, 19, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), quer indicar o atual ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para a presidência do BNDES. Caso consiga, Jucá considera o atual secretário-executivo do Planejamento, Esteves Colnago Júnior, como "substituto automático" de Dyogo.

 

Preparativos. Mesmo antes do anúncio oficial, Rabello de Castro já vinha intensificando os preparativos para viabilizar sua candidatura à Presidência. À frente do banco que é a maior fonte de financiamento a investimentos no Brasil, ele usou a projeção do cargo para se tornar mais conhecido da população. Com carreira no mercado financeiro, ele tem apenas 1% das intenções de voto, segundo pesquisa do Datafolha.

Ele intensificou viagens pelo País e, a exemplo do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que também é pré-candidato ao Planalto, "profissionalizou" seu perfil no Twitter, iniciado em julho de 2017. As fotos postadas por ele em eventos oficiais aparecem com uma logomarca "Paulo Rabello". Em uma das imagens, aparece ao lado de uma artesã em Teresina. "Momento de carinho e alegria com dona Raimundinha, líder da comunidade de artesãos de Teresina", escreveu.

 

Rabello de Castro deixará a presidência do BNDES menos de um ano após assumir o cargo. Ele foi nomeado em maio de 2017, em substituição à economista Maria Silvia Bastos, que pediu demissão. Na época, era filiado ao Novo, partido que deixou no início de outubro para ingressar no PSC. Por ser de perfil liberal, a filiação do executivo ao PSC gerou surpresa inclusive no círculo mais próximo de Rabello de Castro. Ele, no entanto, sempre se justificou dizendo estar "bem ambientado".

A indicação de Rabello de Castro para o cargo máximo no BNDES foi bancada por Temer, de quem é amigo, e desagradou à equipe econômica e ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que defendia um nome do mercado financeiro para o posto. O presidente do banco de fomento ainda comprou brigas públicas com integrantes do governo, como quando criticou a proposta para a nova taxa de juros a ser usada em contratos do BNDES, a TLP (Taxa de Longo Prazo).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.