Paulson pede para China continuar a reforma cambial

Com China enfrentando desaceleração, líderes do país devem seguir com os planos para reequilibrar economia

Suzi Katzumata, da Agência Estado

02 de dezembro de 2008 | 16h41

A China deve continuar o processo de reforma da política cambial para assegurar um crescimento econômico mais equilibrado, afirmou o secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson . Com a economia da China enfrentando uma desaceleração nas exportações, os líderes do país devem seguir adiante com os planos para reequilibrar a economia em direção a um crescimento orientado pelo mercado doméstico, disse o secretário do Tesouro.   Veja Também: Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Dicionário da crise    "Agora é uma oportunidade para a China tomar medidas para assegurar a sustentabilidade, crescimento econômico forte e sustentado para seu futuro", disse Paulson em discurso preparado para o World Affairs Council. "Isto significa depender mais da demanda doméstica e menos das exportações para induzir o crescimento", acrescentou.   Ao exortar a China para mostrar uma "liderança ousada" e seguir adiante com reformas estruturais, Paulson disse que "continuar a reforma na política cambial da China é uma parte integrante de seu processo de reforma mais amplo". A apreciação do yuan em mais de 20% desde que foi desatrelado do dólar em 2005 foi "importante e significativa", disse o secretário do Tesouro, acrescentando, no entanto, que isso não é suficiente.   Paulson vai partir esta noite para Pequim para a quinta Rodada do Diálogo Estratégico Econômico (SED, na sigla em inglês), negociações semestrais entre os dois países. Ele vai chefiar uma delegação dos EUA que inclui a representante comercial dos EUA Susan Schwab, o secretário de Saúde e Serviços Humanos Mike Leavitt e o administrador da Agência de Proteção Ambiental Stephen Johnson.   A quinta rodada do SED ocorre em um momento crítico, com a economia dos EUA já em recessão por um ano e o crescimento da China começando a desacelerar rapidamente. Paulson disse que um novo item estará na agenda do SED - trabalhar juntos através de fóruns internacionais para fortalecer o sistema econômico global.   "É crítico que os EUA, China e outras grandes economias continuem nossos vigorosos esforços e tomem qualquer ação adicional que seja necessária para estabilizar o sistema financeiro, incluindo o uso de políticas monetária, fiscal e regulamentações financeiras apropriadas", disse Paulson. Ele também elogiou o gigante plano de estímulo da China e a proposta de reforma da propriedade de terra rural. As informações são da Dow Jones.   Modo responsável   Paulson minimizou o risco de que o governo da China possa reduzir sua posição em títulos do Tesouro norte-americano. "Os chineses têm sido parceiros e credores muito responsáveis e têm continuado a se manter ao nosso lado e ao lado de nossa dívida", disse Paulson durante entrevista coletiva antes de embarcar para a quinta rodada de conversações do Diálogo Econômico Estratégico EUA/China, em Pequim.   Para o secretário, a China reconhece que os EUA estão tomando as medidas necessárias para lidar com os problemas em seu sistema financeiro e que manter a estabilidade dos mercados é do interesse de todos. As informações são da Dow Jones.   (Renato Martins, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.