finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

PCs e notebooks têm lugar garantido na lista de presentes

Preços 30% mais baixos que em 2006, crediário facilitado e promoções agressivas atraem consumidor

Vera Dantas, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

O computador promete conquistar este ano um lugar debaixo de muitas árvores de Natal. Com preços em média 30% abaixo de 2006, crediário facilitado e promoções agressivas, os computadores de mesa e portáteis se tornaram uma das grandes apostas do varejo nas vendas de fim de ano."O mercado de PCs domésticos ultrapassou o destinado a empresas este ano", diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato. De acordo com ele, do total das vendas de 10,1 milhões de computadores previstas para este ano, 52% devem ser destinados às famílias. "Pela primeira vez o computador passa a ser um presente de Natal." A observação, diz, vale tanto para quem está comprando o primeiro computador, que encontra produtos abaixo de R$ 1 mil, como para quem já tem um PC e quer comprar um notebook pela praticidade.No Natal de 2006, o desktop da Dell, modelo Dimension C521n com 512 megabytes de memória, por exemplo, custava R$ 999. Seu atual similar, o Inspiron 531n, com configuração básica e memória de 512 MB, sai hoje por R$799.As quedas de preços dos micros e as ofertas espalhadas pelo varejo convenceram o comerciante Celisperon Ferreira Souza a presentear a mulher, Marinês dos Reis, com um computador. Na última semana ele pesquisava preços e condições de pagamentos de desktops no Carrefour da Vila Maria.Será o primeiro computador do casal, que será aproveitado também pelo filho de um casamento anterior do marido, Caio, de 12 anos. "Ele entende bem. Nós precisamos treinar", diz. "É bom para pesquisas na internet, comparar preços e procurar receitas", exemplifica Marinês, que já fez um curso rápido de computação.Com renda pouco abaixo de R$ 2 mil, ele pretendia parcelar a compra em 10 ou 12 vezes sem juros ou, se conseguir um bom desconto, pagar o produto à vista. "Quero comprar um computador completo, com tela de LCD e impressora. Até o Natal passado, pelo preço, ele era um sonho. Agora não é mais", diz Celisperon.A expectativa do Carrefour é de crescimento de 80% na venda de produtos de informática em relação a igual período do ano passado. A projeção do Wal-Mart para o Natal também é de crescimento de até 80%. A rede aumentou em 15% o sortimento de produtos e informa que os preços estão em média 25% mais baratos ante 2006. Do total do faturamento do Carrefour em eletroeletrônicos, a participação da informática é em torno de 30%. Na Casas Bahia, a venda de computadores já representa 11% do faturamento, que deve ficar este ano em R$ 12,5 bilhões. A meta é chegar a 25% de participação a médio prazo. Em faturamento, é um peso equivalente ao de televisores."No ano passado as vendas de micros não representavam nem 2%. Mas este ano investimos para ampliar a variedade de produtos e marcas", diz o diretor das Casas Bahia, Michael Klein. O volume vendido na rede vai saltar de 10 mil computadores em 2006 para em torno de 100 mil este ano. Computadores, celulares, TVs de tela grande e conversores estão na lista de produtos que devem liderar as vendas de Natal nas Casas Bahia. O Pão de Açúcar estima um crescimento de 50% nas vendas de computadores na comparação com o Natal anterior. "Só em notebook as vendas devem aumentar mais de 200%. O crescimento é grande porque a base de comparação é baixa. "O notebook já corresponde a 15% do mercado e virou o segundo computador da casa", diz o diretor comercial da rede, Pedro Paulo Di Giacomo.A praticidade de ter um computador para ser usado a qualquer hora e em muitos lugares convenceu o supervisor de vendas e universitário Thiago Muniz dos Santos a comprar um notebook. Ele já compartilha um computador de mesa com toda a família. "Com um notebook posso pesquisar para um trabalho enquanto tomo um lanche numa praça de alimentação", diz. Com renda de quase R$ 3 mil, sua intenção é parcelar a compra em até 10 vezes. O diretor comercial do Grupo Pão de Açúcar acredita que em 2008 serão vendidos três desktops para cada notebook. "Nos Estados Unidos, essa relação já é de um para um." Em 2006 um notebook Latitude 120L da Dell custava R$ 2.149. Em dezembro deste ano seu similar, o notebook Vostro 1000, custará R$ 1.699.As ofertas das redes, que começam a se intensificar no início de dezembro, casadas com parcelamentos a perder de vista, chamam a atenção do consumidor. Nas Lojas Cem, por exemplo, um computador básico pode ser financiado em parcelas mensais de R$ 72, em 20 pagamentos. No Carrefour um computador Blu Sky completo é parcelado em 12 vezes sem juros em prestações de R$ 83,25. Se a opção for pelo crediário de 25 vezes, com juros de 1,99% ao mês, a parcela cai para R$ 51,47.No Extra, entre as promoções de Natal, o preço de um monitor LCD de 19 polegadas caiu de R$ 899 para R$ 649. No ano passado custava em torno de R$ 1.600. No Wal-Mart, no ano passado, um computador com processador Celeron, 256 MB de memória e ambiente Linux, era vendido por R$ 1.099,00. Este ano, um produto com características superiores custa R$ 796.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.