Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PDT entra com ação no STF contra PEC dos Precatórios

Em um documento de 40 páginas, o PDT argumenta que a PEC é inconstitucional, principalmente no que se refere ao parcelamento dos precatórios, dívidas da União cujo pagamento é determinado pela Justiça

Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2021 | 18h41

BRASÍLIA - O PDT entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que parcela o pagamento de dívidas da União e altera o cálculo do teto de gastos para abrir espaço de R$ 106,1 bilhões no Orçamento de 2022, ano eleitoral.

Na quarta-feira, 8, o Congresso promulgou a PEC de forma fatiada, após dias de impasse. A proposta foi alterada no Senado e, agora, uma parte do texto voltará para análise dos deputados. A votação no plenário da Câmara deve ocorrer na próxima terça-feira, 14.

Em um documento de 40 páginas, o PDT argumenta que a PEC é inconstitucional, principalmente no que se refere ao parcelamento dos precatórios, dívidas da União cujo pagamento é determinado pela Justiça.

"Seja a presente Ação Direta de Inconstitucionalidade conhecida e julgada procedente para declarar a inconstitucionalidade total do texto autônomo e das alterações constitucionais e transitórias promovidas pela Emenda Constitucional nº 113/2021”, pede o partido na petição enviada ao STF.

A parte da PEC que foi promulgada garante a abertura de um espaço fiscal de R$ 65 bilhões em 2022. Esses pontos incluem a mudança no cálculo do teto de gastos e o parcelamento de dívidas previdenciárias de municípios.

A Câmara ainda precisa se debruçar sobre o artigo que limita o pagamento de precatórios a partir do ano que vem e que o Senado amarrou com a vinculação do espaço fiscal ao Auxílio Brasil, programa substituto do Bolsa Família, e a despesas previdenciárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.