PDVSA deve ter participação de 40% em refinaria, diz Lula

Em encontro com Hugo Chávez, presidente diz que fatia da Petrobras na faixa de Orinoco também seria de 40%

Angela Lacerda, Agência Estado,

27 de março de 2008 | 11h56

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 27, em entrevista no Recife, ao lado do presidente venezuelano Hugo Chávez, que os dois presidentes têm disposição política para que o Brasil tenha participação acionária de 40% na exploração da plataforma de Carabobo1, que fica na faixa do Orinoco, assim como a Venezuela participaria com 40% na refinaria de petróleo Abreu e Lima, em Pernambuco.  Veja também:   Petrobras não deve agir como miss vaidosa, diz Lula Lula destaca potencial energético da 'nação sul-americana' Encontro termina sem contrato de refinaria em PE  Lula e Chávez visitam refinaria sem acordo para parceria "Mostramos nossa disposição política, mas os administradores das nossas empresas (Petrobras e PDVSA) discutem tecnicamente o que fazer - desde preço até reservas e tipo de tecnologia que vai ser usada. Isto vai acontecer. Pode não ser 40%, pode ser 30%, 45%, mas vai acontecer." Segundo Lula, há interesse estratégico dos dois países. "Sempre demora um pouco mais que a nossa vontade, mas vai acontecer."Lula prevê que a refinaria começará a funcionar em 2010. Ela está localizada no complexo portuário de Suape, no município de Ipojuca (PE). "Temos muito tempo para construir o estatuto. A obra está em andamento, vamos concluir no momento que será concluído."Na quarta-feira, 26, à noite a Petrobras e a PDVSA assinaram um contrato de associação para a construção da refinaria Abreu e Lima, que representa investimento total de US$ 4,05 bilhões. Entre as pendências para a assinatura do contrato definitivo estão o estatuto e a participação acionária da Petrobras na plataforma de Carabobo, na faixa do Orinoco, na Venezuela.  Irritação Os presidentes do Brasil e da Venezuela demonstraram irritação nesta quinta-feira, 27, com informações divulgadas principalmente pela imprensa venezuelana, de que as estatais Petrobrás e PDVSA não fecharam acordo para a instalação de uma refinaria de petróleo em Pernambuco. Em declaração conjunta, no Palácio do Governo de Pernambuco, os dois presidentes reafirmaram que o acordo assinado na noite de quarta-feira, 26, entre as duas estatais contempla a primeira etapa das obras da refinaria e que pretendem inaugurá-la em 2010.  O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que "pessimistas" alardeavam que as duas estatais não chegariam a um acordo. Já Hugo Chávez chegou a ler três manchetes de jornais da Venezuela, com informações diferentes sobre o acordo assinado. "O presidente Lula disse que certas pessoas são pessimistas. Eu diria que são quinta colunistas. É a quinta coluna que continua ativa", disse, numa referência aos que apoiavam no passado a invasão nazista. "Há um cinismo nos meios de comunicação", acrescentou Chávez.  Pelo acordo assinado na quarta-feira entre as duas estatais, a Petrobrás terá participação de 60% no controle da refinaria e a PDVSA de 40%. Mas o acordo, segundo nota da Petrobrás, ainda não é definitivo. O presidente Lula disse que não há data para a elaboração do estatuto da refinaria e que não há pressa, por parte das estatais, para a definição do documento. Ele disse que o terreno onde está sendo feita a terraplanagem para a refinaria tem o tamanho de 2.500 campos de futebol e que as obras nessa primeira etapa são complexas e grandiosas.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasPDVSALulaHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.