André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

PEC do Teto não prejudica direitos sociais, diz Maia ao STF

Presidente da Câmara destacou que as limitações impostas pela PEC do Teto atingem indiscriminadamente todos os poderes, inclusive o Executivo

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2016 | 13h25

BRASÍLIA - Em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto, que institui um limite de gastos para a União por 20 anos, não acaba com a separação dos poderes nem ameaça direitos sociais. A manifestação de Maia foi feita no âmbito de um mandado de segurança impetrado por deputados federais do PC do B e do PT contra a proposta do governo Michel Temer.

"A PEC 241/2016 não tende a abolir - sequer remotamente - a separação dos Poderes, o voto direto, secreto, universal e periódico e os direitos e garantias individuais, mostrando-se de todo imprópria a pretensão de paralisar e impedir o debate democrático no âmbito do Parlamento e de obstar o regular exercício do direito conferido às maiorias de reformarem a Constituição", afirmou Maia.

As limitações impostas pela PEC do Teto, destacou o presidente da Câmara, atingem indiscriminadamente todos os poderes, inclusive o Executivo.

"De um lado, as normas eventualmente resultantes da PEC n. 241/2016 mantêm intacto o cerne da competência atribuída aos representantes do povo em matéria orçamentária pública: deputados e senadores continuarão tendo a última palavra sobre o montante de recursos públicos a serem alocados em cada programação orçamentária", ressaltou o Maia.

Os parlamentares da oposição alegam que a PEC do Teto viola a separação dos poderes e os direitos e garantias individuais, ao fixar limite de aumento de gastos por 20 anos. O ministro do STF Luís Roberto Barroso negou no dia 10 deste mês pedido de medida liminar para suspender a tramitação da proposta, sob o argumento de que "salvo hipóteses extremas", o Poder Judiciário não deve coibir discussões de matérias de interesse nacional.

"O fato de o Supremo Tribunal Federal ter negado a liminar pleiteada nesta ação com fundamento na implausibilidade das alegadas violações a cláusulas pétreas demonstra, por si só, o acerto da decisão adotada por esta Presidência ao distribuir a matéria. Se há alguma inconstitucionalidade na proposta, ela certamente não é evidente e, nesses termos, não poderia ser sanada por nenhum ato de competência do presidente da Câmara dos Deputados", afirmou Rodrigo Maia.

"É, pois, flagrantemente improcedente a alegação de usurpação de competência do Congresso Nacional, o que descortina a falta ainda mais acentuada de razoabilidade da correlata alegação de violação ao voto secreto, direto, universal e periódico, que continuará sendo exercido em sua plenitude pelos eleitores", prosseguiu o presidente da Câmara.

Saúde. Segundo Maia, o texto da PEC do Teto não prevê um limite individualizado para os gastos com educação e saúde, e sim um teto global para todas as despesas do Poder Executivo, o que não implicará necessariamente na limitação de gastos nessas duas áreas.

"Ausente prejuízo automática e necessariamente decorrente da aprovação da PEC n. 241/2016 aos direitos à educação e à saúde (ou a quaisquer outros direitos sociais), forçoso concluir pela total falta de razoabilidade da alegação de violação ao princípio da proibição do retrocesso social", observou Maia.

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (25) em segundo turno, por 359 votos a 116, a PEC 241. A proposta agora depende do aval do Senado, também em dois turnos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.