André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

PEC dos precatórios está pronta para ir a plenário

Proposta, já aprovada no Senado, permite o uso de dinheiro depositado na Justiça para pagar dívidas públicas

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2016 | 14h04

SÃO PAULO - De interesse de governadores, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios deve ir para votação no plenário da Câmara a partir de amanhã, 23, afirmou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

A proposta, já aprovada no Senado, permite o uso de dinheiro depositado na Justiça para pagar dívidas públicas. A medida é defendida por governadores que buscam ajuda do Congresso para aprovar projetos que ajudem os Estados comprometidos nas contas públicas.

Após dar uma palestra fechada a investidores na capital paulista, o presidente da Câmara destacou que o legislativo está tomando as medidas que pode para ajudar os governadores, citando a PEC dos precatórios. Outros projetos citados por ele são o que trata da venda da dívida ativa e o projeto de lei complementar que convalida os benefícios fiscais que foram dados pelos Estados a empresas. 

O presidente Michel Temer tem um encontro hoje com governadores em Brasília. Rodrigo Maia opinou que o governo federal não tem mais muito o que fazer para salvar os Estados, com o risco de comprometer as contas públicas e prejudicar ainda mais a situação do País. "Qualquer empréstimo novo, qualquer coisa que o governo possa fazer pode gerar uma sinalização que a redução do déficit público não será cumprida", disse.

Um socorro aos Estados, disse Maia, prejudicaria ainda mais a situação dos governadores, porque uma dificuldade em cumprir a meta primária nas contas do governo federal pressionaria a taxa de juros e a inflação, comprometendo a arrecadação dos governos regionais. "Não adianta mudar a política adotada pelo governo do presidente Michel Temer porque isso não dará bons resultados", declarou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.