finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Peças da Mattel terão 'análise mais cuidadosa', diz Miguel Jorge

Segundo ministro do Desenvolvimento, Camex estudará aplicação de salvaguardas contra produtos importados

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

22 de agosto de 2007 | 15h41

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse nesta quarta-feira, 22, que a sua pasta, o Inmetro e a Receita Federal farão "uma análise mais cuidadosa" dos produtos da Mattel antes de liberar as importações de brinquedos. Segundo ele, desde a semana passada o Inmetro está atento para verificar se os brinquedos que chegam ao Brasil não fazem parte do lote de brinquedos que tiveram problemas na fabricação e terão que passar por recall. O ministro ressaltou a informação de que 850 mil brinquedos do lote com problemas foram vendidos no País. "Se considerarmos que é muito difícil que se tenha uma só criança em cada casa, nós podemos estar falando que quase dois milhões de crianças no Brasil podem estar usando estes brinquedos", disse.  A Mattel, a maior fabricante mundial de brinquedos, anunciou este mês o recall de mais de 18 milhões de brinquedos em todo o mundo, inclusive no Brasil. O recall atinge brinquedos que contêm ímãs fabricados nos últimos cinco anos na China. Miguel Jorge informou também que a Câmara de Comércio Exterior (Camex), que tem reunião marcada para esta tarde, analisará alguns pedidos de aplicação de salvaguardas contra produtos importados. Segundo ele, o Brasil tem aplicado salvaguardas provisórias nos processos que há indícios claros de concorrência desleal. "Se for detectado um aumento exagerado nas importações, nós investigaremos e se for comprovado os preços subfaturados, nós agiremos", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
MattelMiguel Jorge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.