Pecuaristas ameaçam novo boicote na Argentina

Os pecuaristas argentinos voltaram a ameaçar o governo de realizar um boicote por um período de 10 dias, para protestar contra a intervenção oficial no mercado. Se até a próxima terça-feira, 27, o governo não der uma resposta às reivindicações dos homens do campo, as porteiras de suas fazendas ficarão trancadas e o país correrá o risco de ficar sem carne. Essa é a promessa dos líderes das principais entidades ruralistas, que estão irritados com a pressão do secretário do Interior, Guillermo Moreno, sobre o setor.Os preços da carne vêm subindo nas últimas semanas uma média de 25%. Alguns cortes já registraram aumentos de até 50%. No país onde o consumo per capita de carne bovina é de 60 quilos por ano, o nível mais alto do mundo, o preço do produto tornou-se uma dor de cabeça para governo, produtores e consumidores. As medidas do governo argentino para evitar a alta dos preços e garantir o abastecimento do mercado interno têm sido polêmicas. Desde o final de 2005, o setor tem sofrido com barreiras para exportação de seus produtos e uma dura intervenção oficial no Mercado de Liniers, praça tradicional de negociação do boi em pé.A ingerência de Moreno, o "xerife" dos preços, como é chamado o secretário, provoca uma forte reação do setor agropecuário, que acabou abandonando Liniers e passou a negociar seus animais em um mercado paralelo. Moreno fixou novos preços para a comercialização que não são aceitos pelos produtores. O quilo do novilho, por exemplo, está tabelado em 2,50 pesos (aproximadamente US$ 0,80).Uma fonte do setor revelou à AE que a intervenção de Moreno "não desativou o mercado paralelo, muito menos os preços que os animais realmente valem, mas gerou um mal estar muito grande porque nos obriga e negociar de maneira clandestina". Outra fonte do Mercado de Liniers reclamou que o local "está jogado às moscas e seu destino será o fechamento de suas portas se o mercado não voltar à normalidade".Na próxima terça-feira, as Confederações Rurais Argentinas (CRA) e a Federação Agrária (FAA) vão realizar assembléias para votar o novo boicote. Ambas as reuniões ocorrerão no mesmo horário e, pela primeira vez, a FAA vai transferir sua assembléia de Rosario para a Capital Federal, num gesto interpretado pelos analistas como a "maior prova do mal setorial". Em dezembro último, essas entidades, junto com a poderosa Sociedade Rural Argentina (SRA), que reúne os grandes produtores do país, realizaram um boicote de 8 dias. Antes, em julho, o mesmo movimento durou três dias. Nas duas ocasiões, a carne não chegou a faltar na mesa do consumidor argentino. Mas desta vez é diferente, opinam na CRA, porque os frigoríficos não estão tão abastecidos como anteriormente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.