Divulgação
Divulgação

Pedágios começam a funcionar em março

Primeira rodovia sobconcessão a cobrar a taxa será a BR-050, entre Cristalina (GO) e a divisa de Minas com São Paulo

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2014 | 02h04

A partir de março de 2015, começa a temporada de cobrança de pedágios das novas concessões de rodovias. A estreia tem previsão de ser feita pelo consórcio MGO Rodovias, que arrematou os 436,6 quilômetros da BR-050, entre Cristalina (GO) e a divisa de Minas Gerais com São Paulo. O trecho, muito utilizado por quem viaja entre Brasília, Minas e São Paulo, foi o primeiro concedido no Programa de Investimentos em Logística (PIL), em setembro de 2013. O contrato foi assinado em dezembro.

Como todas as concessionárias que assumiram estradas federais nos últimos 12 meses, a MGO corre para concluir a primeira etapa de 10% da duplicação de sua responsabilidade e iniciar a cobrança do pedágio.

Pelas regras das concessões rodoviárias, concluído esse trecho parcial a empresa tem autorização para acionar 100% das praças de pedágio previstas para toda a estrada. "Estamos dentro do prazo. Vamos investir R$ 370 milhões na rodovia neste ano e iniciamos a cobrança no primeiro trimestre de 2015", disse o diretor-presidente da MGO Rodovias, Helvécio Soares.

As cancelas também devem começar a operar em julho do ano que vem nos 1.176 quilômetros das BRs-060/153/262, trechos que vão de Brasília (DF) a Betim (MG). Hoje, há 2 mil trabalhadores da Concebra/Triunfo espalhados pelos canteiros de obra. A liberação ambiental para a duplicação das estradas, segundo Odenir Sanches, diretor-presidente do consórcio, tem se apoiado nas autorizações simplificadas concedidas pelo Ibama. "Assinamos nosso contrato em janeiro e estamos trabalhando forte agora, por causa do período chuvoso, que começa em outubro."

As águas também preocupam os consórcios que atuam nas obras da BR-163 em Mato Grosso. A concessionária Rota do Oeste, controlada pela Odebrecht TransPort, deu início à duplicação da BR-163 há dois meses. O objetivo é intensificar o trabalho até outubro. Além das chuvas, a BR-163 conta ainda com outra dificuldade. Como seu traçado corta a chamada "Amazônia Legal", a concessionária não está autorizada a requerer o licenciamento ambiental simplificado. "Fizemos um arranjo com o governo para adiantar os estudos. O processo de licenciamento está caminhando e devemos entregar os estudos ainda neste ano", afirmou Paulo Meira Lins, diretor-geral da Rota do Oeste, que tem planos de iniciar a cobrança de pedágio em setembro de 2015.

No trecho da BR-163 em Mato Grosso do Sul, a CCR MSVia assinou o contrato em março e deu início às primeiras operações. Até outubro de 2015, a empresa quer concluir a duplicação de 82 km, equivalente a 10% da estrada, segundo Maurício Soares Negrão, presidente da CCR MSVia. "De maneira geral, as rodovias estão caminhando bem, sem dificuldades." / A.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.