Pedidos de auxílio-desemprego caem em 24 mil nos EUA

Índice de requisição do benefício permanece pela 19ª semana como o mais alto já registrado

Patricia Lara, Agência Estado

12 de junho de 2009 | 09h32

O número de norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu inesperadamente na semana passada, sugerindo que o ritmo de demissões continuou a ficar mais moderado em junho. No entanto, o total de norte-americanos que recebem o benefício por mais de uma semana seguiu na máxima histórica pela 19ª semana, indicando que a prolongada recessão no país continua dificultando que os desempregados arrumem novos postos. O anúncio foi feito nesta quinta, 11, quando era feriado de Corpus Christi no Brasil.

 

O número de norte-americanos que procuraram os balcões de concessão do benefício pela primeira vez caiu em 24 mil, para 601 mil na semana encerrada em 6 de junho, de acordo com relatório divulgado pelo Departamento do Trabalho. O dado surpreendeu positivamente, já que economistas consultados pela agência Dow Jones previam estabilidade desse número. Os dados da semana anterior foram revisados em leve alta.

 

A média móvel de pedidos feitos em quatro semanas - calculada para suavizar a volatilidade do dado - caiu 10.500, para 621.750, o nível mais baixo desde meados de fevereiro.

 

Na semana encerrada em 30 de maio, o número total de norte-americanos que recebiam auxílio-desemprego era de 6.816.000, um crescimento de 59 mil ante a semana anterior. Pela 19ª semana, esse número total responde pelo maior nível já registrado de concessões deste benefício.

 

A taxa de desemprego entre aqueles que têm direito ao auxílio-desemprego nos EUA ficou em 5,1%, inalterada ante a semana anterior, mas ainda indicando o nível mais elevado em 26 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise financeiraauxílio-desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.