Pedidos de auxílio-desemprego caem nos EUA

O número de pedidos iniciais de auxílio-desemprego caiu, na semana passada, para o menor nível em cinco meses e provocou uma onda de reações positivas em Wall Street. O Departamento do Trabalho informou que registrou queda de 29 mil, para 386 mil, no número de pedidos iniciais de auxílio-desemprego na semana encerrada em 19 de julho. O nível foi o menor desde a semana terminada em 8 de fevereiro e caiu abaixo dos 400 mil pela primeira vez desde aquele período. Os economistas interpretam um nível acima de 400 mil como indicador de um mercado deteriorado. A média da quadrissemana, que ameniza os fatores sazonais, caiu em 5.500, para 419.250, o que correspondeu ao menor nível em quatro meses.Os números surpreenderam Wall Street, uma vez que a projeção consensual dos analistas era de aumento de 3 mil no número de pedidos iniciais. Para o resultado da quadrissemana, a previsão era de aumento para 425.750. O Departamento do Trabalho alerta, constantemente, para o fato de os dados de junho, julho e agosto apresentaram fortes flutuações, principalmente em razão da interrupção das linhas de montagem da indústria automobilística para atualizações e reparos. Sem os ajustes sazonais, o número de pedidos caiu em 128.072 na semana passada.O número de trabalhadores que sacam o seguro-desemprego por um período mais prolongado do que uma semana caiu pela segundo semana consecutiva no período até 12 de julho - último dado disponível. Os pedidos contínuos recuaram em 24 mil, para 3.605.000. O Departamento do Trabalho revisou as estimativas preliminares, elevando em 3 mil, para 415 mil, o número de pedidos iniciais da semana até 12 de julho. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.