Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA sobem, mas tendência ainda indica mercado forte

Pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram em 21 mil, para 311 mil segundo dados ajustados sazonalmente

Lucia Mutikani, REUTERS

14 de agosto de 2014 | 10h01

O número de novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos subiu mais do que o esperado na semana passada, mas provavelmente terá pouco efeito em mudar as percepções de que o mercado de trabalho está se fortalecendo.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram em 21 mil, para 311 mil segundo dados ajustados sazonalmente, na semana que terminou em 9 de agosto, informou o Departamento de Trabalho nesta quinta-feira.

O número da semana anterior foi revisado para mostrar 1 mil pedidos a mais do que relatado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o número subisse para apenas 295 mil.

Os pedidos estão se estabilizando após alguma volatilidade em julho relacionada ao fechamento anual de montadoras para manutenção.

A média móvel de quatro semanas, considerada medida melhor das tendências do mercado de trabalho por suavizar a volatilidade semanal, subiu em 2 mil pedidos, para 295.750, ainda apontando para condições mais firmes no mercado de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAdesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.