Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Pedidos de maquinários no Japão caem 0,6% em março

As encomendas de maquinários no Japão caíram em março menos do que o esperado, já que a demanda aumentou entre os principais exportadores, como as montadoras e os fabricantes de produtos eletrônicos, após vários meses de declínio. O volume de pedidos do setor privado teve redução mensal, ajustada à sazonalidade, de 1,3% em março, segundo informou o Escritório do Gabinete do Governo.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

15 de maio de 2009 | 02h42

Embora tenha ficado bem abaixo do dado revisado de fevereiro, quando houve aumento de 0,6% no volume de encomendas, o número de março foi melhor do que a previsão de consenso dos economistas, de um declínio de 5,1%. Além disso, o dado representa um sinal favorável para o crescimento da economia, pois é considerado um indicador líder das tendências de investimento das empresas.

No entanto, números divulgados pelo Banco do Japão (BoJ, banco central do país) também mostraram que os preços dos bens comercializados entre as companhias japonesas tiveram em abril a maior queda das últimas duas décadas. O índice de preços para os bens negociados entre as empresas, produzidos e usados domesticamente, despencou 3,8% em relação a abril do ano passado, a maior queda desde junho de 1987. Em março, a retração havia sido de 2,5%.

Os dois resultados sugerem que, embora a pior fase da recessão que o Japão atravessa desde o final de 2007 possa ter sido superada, a economia do país ainda caminha a passos lentos e agora enfrenta a ameaça de deflação. "Saúdo alguns sinais de alívio na desaceleração econômica", disse o ministro da Economia e Finanças, Kaoru Yosano. "Mas precisamos permanecer alertas sobre as condições econômicas gerais." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãomaquináriosmarço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.