-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Pedidos de máquinas caíram pela metade

A revisão dos investimentos da indústria fez o volume de pedidos do setor de máquinas e equipamentos despencar 50% no primeiro bimestre deste ano e o faturamento, 35%. Para os próximos meses, as previsões não são nada animadoras. "Somos uma indústria de fazer indústria. Ninguém investe em novas máquinas sem ter expectativa de aumento de demanda", destacou o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso Dias.Segundo ele, o setor, que já demitiu 9 mil empregados até fevereiro, pode terminar o semestre com 20 mil desempregados. "A indústria de máquinas e equipamentos é a que mais sofre numa crise da proporção como a atual", completa o executivo.Na fabricante de compressores Blitzer, o faturamento caiu 20% no último trimestre do ano passado e 25% entre janeiro e fevereiro deste ano. Com o desempenho negativo, a empresa vai seguir o exemplo de seus clientes e também cortar investimentos. Segundo o presidente do grupo, Fernando Bueno, o planejamento feito em outubro do ano passado foi alterado. "Projetamos investir 4,8% do faturamento neste ano, mas fomos obrigados a reduzir esse porcentual para 1,5%." Ele destaca que normalmente investimento inferior a 3% do faturamento apenas mantém o parque atual. "O 1,5% que reservamos é apenas para situação emergencial."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.