Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Pedidos de recuperação judicial batem recorde

De janeiro a outubro, 977 empresas entraram com pedido na Justiça, o maior número desde que a recuperação judicial foi criada, em 2006

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2015 | 02h04

Afetadas pela recessão e pela Operação Lava Jato, o número de empresas que pediu recuperação judicial até agora em 2015 é o maior em dez anos. De janeiro a outubro, 977 companhias da indústria, do comércio e do setor de serviços entraram na Justiça com solicitação de recuperação judicial no País. É um número 41,3% maior em relação ao mesmo período de 2014, segundo a Serasa Experian.

O avanço nos pedidos de recuperação judicial foi puxado especialmente pelas empresas do setor de serviços, com crescimento de quase 70% nas mesmas bases de comparação. Nesse segmento estão as construtoras, que tiveram as atividades paralisadas por causa da Operação Lava Jato, que investiga casos de corrupção na Petrobrás.

Desde 2006, o primeiro ano em vigor da nova Lei de Falências que instituiu a recuperação judicial no lugar da concordata, não havia registro de uma quantidade tão grande de empresas nessa situação, observa o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, responsável pelo levantamento. O recorde anterior tinha sido em 2013, quando 747 empresas usaram esse instrumento para renegociar débitos e evitar falência.

"O resultado é recorde e o crescimento de 40% no total de pedidos preocupa", afirma Rabi. Ele diz que um avanço desse tamanho não é explicado só pelo crescimento natural que há quando entra em vigor um novo instrumento jurídico e mais empresas passam a usá-lo.

Na avaliação de Rabi, três fatores agindo conjuntamente provocaram o aperto nas finanças das empresas. O primeiro fator é a recessão, que derrubou as vendas das companhias.

O segundo fator é a taxa de juros elevada, que encarece o custo dos financiamentos para as pessoas jurídicas e também para o consumidor. O terceiro fator apontado pelo economista foi a disparada do câmbio. "Como a economia brasileira é fechada e mais importadora do que exportadora, quando o dólar sobe, os custos das empresas são sofrem impacto."

Tamanho. Um dado que chamou atenção nos pedidos de recuperação judicial neste ano foi o aumento explosivo do número de empresas de grande porte, de 68% de janeiro a outubro deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Enquanto isso, os pedidos de recuperação judicial de empresas pequenas e médias avançaram 31% e 47%, respectivamente. O economista acredita que o crescimento significativo nos pedidos de empresas de grande porte seja um reflexo da crise no setor de construção civil pesada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.