Pedidos de recuperação judicial têm queda

Agosto registrou o menor índice do ano, apura Serasa

, O Estadao de S.Paulo

09 de setembro de 2009 | 00h00

Os pedidos de recuperação judicial alcançaram em agosto o menor patamar do ano, depois de terem subido a partir de novembro por causa das consequências da crise econômica sobre as empresas do Brasil, mostra o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, divulgado ontem. De acordo com o índice, foram assinalados 47 requerimentos de recuperação em agosto, ante 72 em julho. A queda, segundo a Serasa Experian, aconteceu por causa da retomada da economia, que começou no segundo trimestre.

A redução, conforme a Serasa, pode ser um aceno de que a situação do crédito para as companhias começa a voltar ao normal, como tem ocorrido com os consumidores. No acumulado de 2009, os pedidos aumentaram. De janeiro a agosto, foram solicitadas 510 recuperações, ante 185 no mesmo período de 2008.

Segundo os técnicos, a elevação mostra que os obstáculos financeiros das empresas, sobretudo com o aperto de liquidez, demandaram propostas de renegociação com credores. Esta realidade se reproduz nas recuperações deferidas e concedidas, fases mais avançadas desse processo.

Outros motivos são a ampliação na inadimplência do consumidor e do crédito mercantil e a queda da demanda externa, que causou impacto no caixa das empresas exportadoras.

As solicitações de falência também diminuíram em agosto, ainda que em menor magnitude. Foram 210 pedidos ante 216 em julho. A respeito das falências decretadas, foram 66 em agosto e 67 em julho. Os técnicos consideram que a ampliação no número de requerimentos de falências pode ser explicada pela cobrança de débitos vencidos e não honrados.

No caso das decretadas, são três situações para as empresas: as que atingiram o grau máximo de dificuldade financeira; as que não realizaram as exigências para solicitar a recuperação judicial, e as que não se recuperaram nos processos.

No acumulado de janeiro a agosto, foram 1.595 pedidos de falência em todo o País, passando os 1.505 no mesmo período de 2008. Para os analistas da Serasa, os pedidos de falência foram uma forma de cobrança de dívidas atrasadas, com a dificuldade de liquidez causada pela crise econômica.

Para os próximos meses, a expectativa dos analistas é que os dados de falências e recuperações mostrem volumes menores com a retomada econômica, especialmente no último trimestre deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.