Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Pedidos de seguro-desemprego reforçam temores sobre economia dos EUA

Em meio a um desemprego de 9,5%, número de solicitações na semana passada foi o maior em nove meses.

Alessandra Corrêa, BBC

19 de agosto de 2010 | 14h28

Meio milhão de americanos entraram com novos pedidos de seguro-desemprego na semana passada, o número mais alto desde novembro de 2009, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos.

De acordo com os dados sazonalmente ajustados, o número de pedidos iniciais de seguro-desemprego da semana encerrada em 14 de agosto superou em 12 mil o da semana anterior, que havia sido de 488 mil.

O número é superior ao que vinha sendo esperado por analistas.

A média das últimas quatro semanas, indicador considerado menos volátil que a medição semana a semana, teve aumento de oito mil, chegando a 482,5 mil, a mais alta desde dezembro de 2009.

A divulgação dos dados reforçou os temores sobre o ritmo da recuperação da economia americana, que enfrenta uma taxa de desemprego de 9,5%, sem perspectivas de baixar no curto prazo.

Logo após o anúncio dos dados, o índice Dow Jones, da Bolsa de Valores de Nova York, caiu mais de 1%.

Preocupação

A divulgação dos dados se soma a uma série de más notícias recentes sobre a economia americana.

Em julho, o mercado de trabalho registrou o fechamento de um total de 131 mil vagas, diante da criação de apenas 71 mil postos no setor privado, resultado abaixo do esperado.

A primeira estimativa do Departamento de Comércio sobre o desempenho do PIB (Produto Interno Bruto) americano no segundo trimestre de 2010 revelou crescimento anualizado de 2,4% em relação aos três meses anteriores, uma desaceleração em relação ao avanço de 3,7% registrado no trimestre anterior.

Essa estimativa inicial aumentou a preocupação sobre os rumos da economia americana e, segundo economistas, ainda pode ser revisada para baixo, puxada por outros indicadores que estão registrando desempenho aquém do esperado neste mês. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
estados unidoseuaempregodesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.