Pedro Camargo analisa mais uma vitória do Brasil na OMC

Um dos responsáveis pela introdução do debate sobre a redução de subsídios agrícolas concedidos pelos Estados Unidos e União Européia, Pedro de Camargo Neto, especialista em negociações internacionais e conselheiro da Sociedade Rural Brasileira, disse que a vitória conseguida ontem em Genebra na questão do açúcar europeu tem um único dono: o Brasil.Em entrevista ao Jornal da Cultura, da TV Cultura, ele afirmou que a partir da entrada em vigor da medida, o País irá gerar mais emprego, mais renda e mais exportação. "Nós vamos vender para outros países o que a Europa vende hoje." A decisão, conforme sublinhou, implica na saída dos europeus do mercado exportador do produto, embora não se deva esperar que isso ocorra a curto prazo.Os três grandesBrasil, Austrália e Tailândia, segundo explicou Camargo, são hoje os três grandes produtores de açúcar extraído da cana, mas só que nosso país tem extensão continental. "O Brasil tem para onde crescer e pode ampliar sua produção, sem afetar preços internos e internacionais, e sem afetar o álcool."CompetitividadeDe acordo com a reportagem da TV Cultura, o Brasil é hoje o maior produtor mundial de açúcar e também o mais competitivo. Graças à tecnologia nacional e a grande disponibilidade de área para o plantio da cana, o açúcar brasileiro é exportado a 200 dólares a tonelada. Na Europa, o açúcar é produzido a partir da beterraba, a um custo de 700 dólares a tonelada. A União Européia também compra o produto de países da África, do Caribe, do Pacífico e do próprio Brasil, e o refina para exportação, concorrendo assim com os produtores nacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.