Pela 1ª vez, petróleo fecha acima de US$ 80

Cotação do barril em NY sobe por causa de ameaça de furacão

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2014 | 00h00

Os contratos futuros de petróleo negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) fecharam ontem em nível recorde pelo terceiro dia consecutivo e, pela primeira vez, acima dos US$ 80 por barril. Os contratos para outubro fecharam a US$ 80,09 por barril, em alta de 0,23%. A mínima foi de US$ 79,25 e a máxima, de US$ 80,15.A alta foi liderada pelos contratos futuros de gasolina. Os contratos do combustível para outubro fecharam a US$ 2,0464 por galão, em alta de US$ 0,0304 (1,51%). O mercado reagiu à suspensão da produção em duas refinarias no Texas, depois de o furacão Humberto provocar uma interrupção no fornecimento de energia elétrica.''''O preço da gasolina provavelmente deveria ter subido mais, mas a alta foi contida pela falta de demanda. O fechamento do petróleo bruto acima de US$ 80 sugere, do ponto de vista técnico, que haverá novas altas'''', comentou Tony Rosado, da IAG Energy Brokers.Segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC), Humberto teve um ganho de força equivalente a mais de 70 quilômetros por hora, para 137 quilômetros por hora, em apenas 18 horas, passando de tempestade tropical a furacão de categoria 1.''''Para colocar esse acontecimento em perspectiva, nenhum ciclone tropical nos registros históricos já chegou a essa intensidade tão rapidamente perto de terra firme. Seria interessante saber por que isso aconteceu'''', informou o NHC. Uma pessoa morreu em decorrência dos danos provocados pelo furacão.Apesar do nível elevado, a cotação do petróleo em termos reais (ou seja, levando-se em conta a inflação) continua abaixo dos níveis alcançados na década de 1980. Dependendo do tipo de ajuste, o barril, que chegou a custar US$ 38 em 1980, poderia equivaler a algo entre US$ 96 e US$ 101 hoje.Na Bolsa Intercontinental de Londres, os contratos do petróleo do tipo Brent para outubro fecharam a US$ 77,40 por barril, em queda de US$ 0,28 (-0,36%), com mínima em US$ 77,18 e máxima em US$ 77,86. AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.