Pela 1a vez, ata considera inflação acima da meta em 2005

Pela primeira vez, a inflação projetada pelo Banco Central para 2005 está acima da meta de 4,5% fixada pelo governo. De acordo com ata da última reunião do Copom, a projeção está "ligeiramente" acima da meta para o próximo ano. Os membros do Copom atribuíram essa piora das projeções ao aumento das tarifas de telefonia fixa (incorporando o resíduo do ano passado), à deterioração da expectativas e à inflação de junho maior do que o esperado.Essa piora levou o Copom a manter a taxa Selic em 16% ao ano na reunião da semana passada. A Selic está neste patamar desde a reunião de abril, quando os juros foram reduzidos de 16,25% para 16% ao ano. Ou seja, há quatro meses a taxa Selic é mantida. De acordo com a ata, apesar da apreciação do real frente ao dólar (que vai contra a um aumento de preços influenciado pelo dólar mais caro), esses três fatores fizeram com que houvesse um aumento das projeções realizadas pelo Copom para a inflação de 2004 e de 2005. Para fazer as suas projeções, o BC utilizou um cenário básico que considera a manutenção da taxa Selic em 16% ao ano e uma taxa de câmbio de R$ 3,00, vigente às vésperas da reunião.Cenário anteriorNa ata anterior, de junho, a projeção de inflação para 2005 estava abaixo da meta de 4,5% e a de 2004 já estava acima da meta de 5,5%. Naquele mês, o cenário básico levava em consideração uma taxa de câmbio maior de R$ 3,10 e a manutenção da taxa de juros em 16% ao ano.O BC destaca ainda na ata que as projeções baseadas no cenário de mercado, que incorporam as trajetórias de câmbio e de taxa Selic esperadas pelo mercado na véspera da reunião do Copom, situam-se acima da meta para esse ano e 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.