Pela primeira vez, balança comercial do agro cairá

Pela primeira vez, o saldo da balança comercial do agronegócio cairá em 2006 na comparação com o ano anterior. Estimativa divulgada nesta quarta-feira pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) indica superávit de US$ 37 bilhões neste ano, queda de 3,7% na comparação com os US$ 38,416 bilhões acumulados no ano passado. "As exportações agrícolas estão perdendo dinamismo", avaliou o assessor técnico da Comissão Nacional de Comércio Exterior da CNA, Antônio Donizeti Beraldo. As exportações agrícolas renderão US$ 43 bilhões em 2006, contra US$ 43,601 bilhões no ano passado. Impulsionadas pelo câmbio favorável, as importações de produtos agrícolas devem crescer de US$ 5,185 bilhões em 2005 para US$ 6 bilhões neste ano. "A redução no ritmo de exportação e o aumento das importações, principalmente de trigo, interrompe a tendência de crescimento verificada nos últimos anos no saldo comercial", comentou. Histórico divulgado nesta quarta-feira pela CNA mostra que o superávit agrícola foi de US$ 14,811 bilhões em 2000, US$ 19,016 bilhões em 2001, US$ 20,347 bilhões em 2002, US$ 25,848 bilhões em 2003 e US$ 34,134 bilhões em 2004. ExportaçõesO crescimento do saldo da balança comercial do agronegócio no primeiro semestre de 2006 foi inferior ao registrado em igual período de 2005, informou Beraldo. Na comparação entre 2005 e 2006, o crescimento foi de 3,7%. No período anterior, de 2004 para 2005, o aumento foi de 10,2%. "O ritmo de exportações do agronegócio está caindo", comentou.No acumulado do ano até julho, o faturamento obtido com as exportações foi recorde, mas o montante é decrescente. Os embarques agrícolas renderam US$ 21,35 bilhões nos seis primeiros meses do ano, crescimento de 5,7%. No mesmo período do ano anterior, no entanto, as exportações cresceram 13,5%. "Essa redução no ritmo de crescimento reduziu a participação das exportações do agronegócio nas exportações totais brasileiras de 37,6% para 35%", explicou. PIBAinda, segundo a pesquisa da CNA, o Produto Interno Bruto (PIB) deve ter redução de 1,94%, ou perda de R$ 10,43 bilhões em relação ao ano passado. O PIB está estimado em R$ 527,20 bilhões para 2006, em comparação com R$ 537,63 bilhões no ano passado.De forma detalhada por setores, a CNA projeta o PIB da agricultura em R$ 81,63 bilhões, ante R$ 85,20 bilhões no ano passado. Para a pecuária, a projeção é de R$ 64,87 bilhões em relação a R$ 67,84 bilhões em 2005. No geral, o PIB da agropecuária deve totalizar R$ 146,50 bilhões em 2006, em comparação com R$ 153,04 bilhões em 2005.A previsão foi feita com base no PIB dos primeiros quatro meses do ano. No período, o PIB da pecuária caiu 1,48%, da agricultura, menos 1,42% e do agronegócio, menos 0,69%. A comparação é feita com igual período do ano passado.A CNA estima, ainda, que o Valor Bruto da Produção (VBP) para os 25 principais produtos da agropecuária do País terá queda de R$ 6,7 bilhões em 2006. Nos últimos dois anos, o VBP, que é o faturamento obtido com a venda dos principais produtos da agropecuária, acumula queda de cerca de R$ 24,8 bilhões.Este texto foi atualizado às 15h18.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.