Pelo segundo dia, peso volta a surpreender mercado

Pelo segundo dia consecutivo, o comportamento do peso argentino no recente regime livre de flutuação, quase 11 anos depois de ter ficado atrelado ao dólar, está surpreendendo os mais pessimistas. No começo da tarde de hoje, o dólar começou a ser negociado a 1,80 peso para compra e 2,00 pesos para venda, abaixo do fechamento de ontem, quando acabou o dia na média entre 1,85 e 1,90 peso para compra e 2,05 e 2,15 pesos para venda nas casas de câmbio e nos bancos, depois de ter subido ao patamar de 2,60 pesos por dólar no período da manhã.As filas em frente às casas de câmbio, principalmente no decorrer da manhã do primeiro dia de flutuação cambial, faziam temer o pior. Mas isso não ocorreu. Alguns analistas ainda duvidam se o Banco Central argentino interveio ou não no mercado como para provocar essa queda "inesperada" e "inexplicável" do dólar e, mais ainda, mostrar aos mais pessimistas que estavam completamente enganados em relação ao comportamento do peso.O diretor de um banco estrangeiro instalado na Argentina disse à Agência Estado, porém, que o BC sequer deu sinal de vida na estréia da flutuação do câmbio pouco mais de uma década depois de o Plano de Conversibilidade ter entrado em vigor.Logo de manhã, o presidente argentino Eduardo Duhalde declarou em um programa de rádio que a taxa de câmbio no país cairá a patamares próximos de 1,40 peso, 1,60 peso ou, no máximo, 1,70 peso por dólar.O presidente considerou que o comportamento do peso na segunda-feira foi "uma prova da maturidade das pessoas" e advertiu que a incerteza que ainda paira sobre o câmbio e que vem gerando o aumento dos preços será dissipada com atitudes rígidas do governo.Para isso, acrescentou Duhalde, o governo adotará medidas para provocar uma apreciação do peso. Entre elas está a intervenção do Banco Central no mercado de câmbio para evitar a desvalorização excessiva da moeda argentina.Outra explicação para o surpreendente comportamento do câmbio ontem foi a quase nula demanda de dólares por parte dos importadores, já que estariam evitando comprar a divisa norte-americana um preço muito alto.Os exportadores também se mantiveram à expectativa do que poderá ocorrer com a cotação do dólar, mas alguns tiveram de liquidar posições e vender no mercado, o que teria influenciado no câmbio ontem. Para o governo argentino, o resultado do primeiro dia de regime livre de flutuação foi muito positivo, apesar do clima tenso por causa dos protestos em todo o país.Em Madri, o primeiro-ministro espanhol, José Maria Aznar, declarou que as medidas adotadas até agora pelo governo argentino estão no rumo certo e assegurou ter solicitados às companhias espanholas que sejam "coerentes" com seus investimentos estratégicos da Espanha na Argentina. Na última década, as multinacionais espanholas investiram US$ 40 bilhões no país.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.