Imagem Zeina Latif
Colunista
Zeina Latif
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pensando os próximos 464 anos

Os principais problemas de São Paulo decorrem de seu crescimento desordenado, causando sérios problemas ambientais, de infraestrutura urbana e oferta de serviços públicos

Zeina Latif*, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2018 | 05h00

Os mesmos vícios que acometem a política econômica – o excessivo e descuidado intervencionismo estatal – ocorrem também nas políticas urbanas. Não há uma tradição de avaliar o impacto das políticas sobre a vida na cidade, e não há muito apreço por estudos de casos de sucesso e da experiência internacional. 

O desenho das políticas urbanas, ainda que bem intencionado, muitas vezes acaba prejudicando o funcionamento das cidades e o bem-estar dos seus cidadãos.

Os principais problemas de São Paulo decorrem de seu crescimento desordenado, causando sérios problemas ambientais, de infraestrutura urbana e oferta de serviços públicos. É comum se atribuir esse quadro à falta de planejamento. Pelo contrário, é o excesso de regras e leis que acaba limitando o adensamento urbano e gerando o crescimento desordenado.

O adensamento traz muitas vantagens: maior interação das pessoas gerando sinergias e ganhos de produtividade, economias de escala, empregos, redução de muitos custos de infraestrutura e logística, redução de deslocamentos, maior acesso a serviços públicos e urbanos e preservação do meio ambiente.

Pode haver complicações decorrentes do adensamento, como os elevados custos de uma infraestrutura esgotada (construir metrô se torna mais caro em áreas já muito adensadas) e a degradação da área urbana (áreas de calor, sombra dos prédios e impermeabilização do solo).

Convém buscar alternativas para evitar ou lidar com essas possíveis consequências. Há boas experiências com corredores de ônibus, calçadas amplas e arborizadas, canteiros centrais e pedágio urbano, como em Londres, Milão e Cingapura.

O índice de adensamento na cidade de São Paulo é muito baixo. São menos de 7,5 mil habitantes por km², contra 13,7 mil em Buenos Aires e 21,5 mil em Paris. Parte do problema decorre da baixa verticalização. Em São Paulo, a maioria das pessoas vive em casas. Apenas 37% das moradias são prédios, que abrigam 26% da população.

Esse quadro foi desenhado por décadas de decisões de políticas urbanas que geraram rigidez das regras de construção, reforma e zoneamento. O resultado foi a degradação do centro e dispersão da área urbana. O centro financeiro, por exemplo, tornou-se itinerante: do centro da cidade para a Avenida Paulista, depois para a Faria Lima, Funchal e Berrini. Já a City de Londres, centro financeiro do Reino Unido, lá sobrevive há séculos.

Segundo a Prefeitura, a cidade de São Paulo tem mais de 2 milhões de metros quadrados de imóveis – ou subutilizados ou não edificados; uma área equivalente a dois Heliópolis, onde vivem mais de 200 mil pessoas em áreas irregulares. Melhor entender por que as regras desestimulam o uso do que punir os proprietários.

Não é qualquer verticalização que faz uma cidade funcionar bem. A verticalização do passado, como no centro e na Avenida Paulista, foi mais saudável do que a de hoje, que produz shopping centers e condomínios isolados, com moradores “motorizados” que pouco andam nas ruas e pouco interagem com outras pessoas. As regras atuais engessam as construções por conta de tantas exigências – como garagens e recuos –, proibições de um zoneamento rígido e desigual e limita imóveis de uso misto.

Conciliar moradia, trabalho e lazer em uma mesma região, ajuda a reduzir deslocamentos e evita áreas inutilizadas fora do horário comercial, que por sua vez tendem a ser mais violentas. A legislação acabou gerando áreas subutilizadas, menor adensamento e uma cidade com polos isolados.

Precisamos de uma legislação menos complexa, mais clara e previsível, que favoreça a recuperação de construções degradadas. E também mais flexível, que permita maior liberdade nas construções e dê conta das demandas mutantes dos cidadãos e do setor produtivo.

A regulação adequada incentiva o bom funcionamento do mercado. Cabe ao poder público fazer intervenções de forma cuidadosa e não impor um desenho de cidade supostamente ideal. Como sabê-lo?

*ECONOMISTA-CHEFE DA XP INVESTIMENTOS

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo [cidade SP]Urbanização

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.