Peppa Pig é a nova rainha da pirataria de marcas no Brasil

Personagem infantil mais licenciada da atualidade é pirateada em larga escala por empresas chinesas e confecções nacionais; peças estão em cartaz ilegalmente em dezenas de teatros brasileiros

Cley Scholz, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2014 | 09h00

 

SÃO PAULO - A porquinha cor-de-rosa Peppa Pig é o maior sucesso de licenciamento de marcas que se tem notícia na última década. Ela superou muitos outros personagens que fazem sucesso graças a séries de televisão ou filmes de grande bilheteria no cinema e está no topo do ranking de licenciamento nos principais mercados do mundo.

A porquinha chegou ao Brasil no ano passado com a série de desenhos animados exibida no canal a cabo Discovery Kids,acompanhada de uma poderosa estrutura de licenciamentos para milhares de produtos, especialmente brinquedos. Mas, como acontece com todos os produtos que fazem sucesso no mercado brasileiro, a porquinha virou alvo dos falsificadores e contrabandistas.

A motivação é fácil de entender: por causa dos impostos e direitos de propriedade intelectual, uma boneca original da porquinha famosa é vendida a R$ 80,00 no comércio legal, mas nas mãos de vendedores ambulantes pode ser encontrada por R$ 25,00. 

Peppas falsificadas estão por toda parte, nas esquinas, nas lojas populares ou mesmo em shoppings. Não só na forma de brinquedos, mas de roupas, CDs, DVDs e até peças de teatro montadas sem autorização dos seus representantes legais.

No Brasil, porquinha Peppa, seu irmãozinho George, Mamãe, Papai Pig e seus amigos Danny Dog, Pedro Pony e Suzy Sheep já estão licenciados para centenas de empresas que exploram os personagens de todas as formas imagináveis.

A personagem criada na Inglaterra em 2004 tem sua tem sua série exibida em 180 países e já é a segunda de maior sucesso no Discovery Kids. Ela já superou em número de licenciamentos outros sucessos recentes como os Minions do filme 'Meu Malvado Favorito' e até a Galinha Pintadinha, outro sucesso dos desenhos animados que fez fortunas.

Assim como a Galinha Pintadinha, a porquinha rosa tem a seu favor o poder das redes sociais, e também a facilidade com que as crianças modernas manipulam computadores, tablets e smartphones. Basta procurar por Peppa Pig no YouTube para encontrar 1,7 milhão de vídeos, alguns deles com mais de 40 milhões de visualizações.

O sucesso na TV e na internet atraem falsificadores locais e internacionais, especialmente chineses. Os comerciantes que pagam pelo produto legalizado sofrem a competição desleal dos falsificadores. Na internet, proliferam sites de comércio eletrônico que oferecem preços muito mais atrativos.

A Receita Federal não consegue conter a avalanche de importações ilegais que entram em contêineres. Os detentores das marcas contratam advogados para tentar conter a onda, mas sabem que estão "enxugando gelo".

 

Impostos altos explicam sucesso dos produtos piratas

“O preço é atraente porque eles não pagam impostos e utilizam mão de obra informal, as vezes em condições análogas às de escravos”,  afirma Aires Fernandes, diretor de marketing da fábrica de brinquedos Estrela, que comprou os direitos de produção dos bonecos da família Peppa.

O representante da indústria de brinquedos adverte para os riscos dos produtos piratas: “Os brinquedos chineses são muitas vezes fabricados com tintas com metais pesados como chumbo e cádmio, que são substâncias cancerígenas”, diz.

A Estrela analisa os brinquedos pirateados em laboratórios especializados e constata a desobediência a todas às normas do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro). Os bonecos de pelúcia originais são de materiais antialérgicos e não contém metais pesados. A empresa já encontrou bonecas Barbie com tinta contendo chumbo e mercúrio em sua composição, além de brinquedos feitos com plástico de lixo hospitalar reciclado e materiais impróprios usados como recheio de bichos de pelúcia piratas. Considerando que o público de Peppa Pig é de até quatro anos de idade, da chamada fase oral, o problema é considerado grave.

A empresa também localizou bonecos e brinquedos falsificados que emitem som acima de 80 decibéis, que podem causar problemas de audição nas crianças.

 “Nós pagamos impostos, investimos no apoio mercadológico, em materiais de qualidade e segurança dos brinquedos, mas sofremos a competição desleal de empresas que exploram o trabalho informal e não se preocupam com a saúde das crianças”, afirma o diretor da Estrela. “O pior é que os artigos piratas estão ganhando espaço e já estão até las lojas de shoppings de grandes cidades”.

Os piratas de marcas não se limitam aos bonecos de plástico ou de pano que fogem totalmente aos padrões estabelecidos pelos detentores da marca. Eles usam a imagem da personagem em estampas de roupas, acessórios e materiais escolares, fabricados no Brasil ou importados da China.

 

Peppa Pig pirata no teatro assusta criancinhas

Filmes e jogos são reproduzidos sem licença e 38 peças de teatro estão sendo exibidas no País sem autorização da empresa de licenciamentos Exim, que representa no Brasil a Entertainment One, detentora dos direitos de uso ma marca no mercado mundial.

Os piratas também deturpam as histórias e personagens, prejudicando a imagem da marca, segundo o vice-presidente da licenciadora Exim, Celso Rafael. Ele conta que foi procurado por uma mãe de uma criança que é fã da personagem. “Ela reclamou que a filha ficou com medo de uma porca má que aparecia em uma das peças de teatro não autorizadas”, diz o executivo. “Os produtores inventaram uma personagem que não existe, e que assusta as crianças”. 

Ele explica que uma das principais razões do sucesso da personagem entre as crianças é o cuidado com a mensagem, que é sempre educativa e alegre, com foco no entretenimento. “Em 30 anos de atuação no mercado de licenciamento eu nunca vi um personagem fazer tanto sucesso”, conta ele, lembrando que a marca Peppa Pig está em primeiro lugar em licenciamento nos principais mercados do mundo. 

No Brasil já existem 40 empresas que assinaram contratos de licenciamento para os mais variados produtos. Só a Estrela licenciou 12 brinquedos e já negocia outros.

O sucesso estrondoso da família Peppa obrigou a Exim a antecipar lançamentos de produtos e também acelerar os preparativos para um show dos personagens para plateias de três mil pessoas que estreia no Dia das Crianças em São Paulo, Rio de janeiro e Belo Horizonte, com dois elencos que devem percorrer as principais cidades brasileiras. 

O show estava programado para o segundo semestre do ano que vem, mas a empresa reagiu depois de ver dezenas de peças no País sendo representadas sem autorização. Nas últimas semanas, várias delas foram canceladas por ordem judicial, uma delas promovida pela Time For Fun, uma das principais empresas de entretenimento do País.

O avanço da ação dos piratas forçou a empresa licenciadora a contratar dois importantes escritórios especializados para assessorar a Receita Federal e outros órgãos de fiscalização para barrar a entrada de artigos pirateados nos portos e fronteiras e também no comércio.

Empresas que representam marcas famosas chagam a gastar até R$ 1 milhão por ano em ações para tentar conter a pirataria, como é o caso da grife Dudalina. A Bromélia Produções, detentora dos direitos da Galinha Pintadinha no Brasil, é uma das empresas que investem boa parte do que ganham com ações de inteligência e combate aos piratas. 

A Copag, quarta maior fabricante de cartas de baralho do mundo, com sede em Manaus, lançou no mercado um conjunto de cartas popular, vendido a R$ 1,50, e com isso conseguiu barrar os baralhos piratas.

No dia 31 de julho, a Time For Fun divulgou um comunicado anunciando o cancelamento do espetáculo infantil Peppa Pig Ao Vivo, que seria realizado em agosto no Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Quem já tinha ingressos comprados recebeu o dinheiro de volta, mas o motivo do cancelamento não foi informado. Dezenas de outras peças também estão sendo retiradas de cartaz por advogados especializados em defender os direitos de imagem de marcas.

Diálogos simples e mensagens positivas explicam sucesso mundial

O desenho conta as aventuras da porquinha cor-de-rosa de Peppa Pig e do seu irmãozinho George Pig. Além dos pais de Peppa, aparecem os amiguinhos - como a ovelha Susy e vários outros da faixa de quatro anos de idade, que adoram brincar de se fantasiar, pular em poças de lama e andar de bicicleta.

Os personagens vivem situações iguais às das crianças modernas e os diálogos são simples. Em um dos episódios, Peppa ensina seu pai a usar uma filmadora. As aventuras sempre terminam com muitas gargalhadas.

Peppa Pig é uma co-produção entre o estúdio de animação Astley Baker Davies e Entretenimento One, empresa de entretenimento internacional especializada na aquisição, produção e distribuição de conteúdo de cinema e televisão, com exploração de merchandising e licenciamento. Sua biblioteca de direitos atual é explorada em todos os formatos de mídia e inclui mais de 35 mil títulos de filmes e televisão, 2.700 horas de programação de TV e 45 mil faixas de música. 

O Astley Baker Davies é um estúdio de animação com sede em Londres de Neville Astley, Mark Baker e Phil Davies. Os três são os criadores, diretores e produtores de Peppa Pig, que teve até agora seis séries filmadas e já é exibida em 180 territórios e países do mundo. A série ganhou o prêmio Melhor Animação Pré-Escolar na Inglaterra em 2006, entre outros. 

Só no Reino Unido, já foram vendidos mais de 5,4 milhões de livros dos personagens da família Peppa Pig, além de 7,5 milhões de DVDs. Um parque temático, o Peppa Pig World,  inaugurado em 2011 no Reino Unido, já foi visitado por mais de 2 milhões de pessoas.

No Brasil, as histórias de Peppa viraram livros em fevereiro, com selo da editora Salamandra. A coleção ultrapassou os 200 mil exemplares vendidos em menos de seis meses. Os bonecos oficiais esgotaram rapidamente nas grandes lojas e os fabricantes se esforçam para repor os estoques de kit de instrumentos musicais, barraca, triciclo, prancha, cortinas, xampus e tudo o que se puder imaginar.

Nas casas especializadas em festas infantis, a porquinha é a campeã das preferências. A Amazon, maior empresa de comércio eletrônico do mundo, anunciou recentemente a oferta de novos de programas de Peppa Pig na sua plataforma de streaming no Reino Unido. 

Tudo o que sabemos sobre:
Peppa PigPiratariaSonegação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.