Pequenas e médias empresas prejudicaram resultado da indústria

O desempenho global das indústrias, que ainda vêm apresentando baixo crescimento, tem sido afetado pelas pequenas e médias empresas que ainda não deslancharam. A avaliação é do gerente executivo da Pesquisa da Confederação nacional da Indústria (CNI). Segundo ele, as pequenas e médias indústrias apresentaram queda de produção, faturamento e emprego no segundo trimestre de 2006 enquanto que as grandes empresas registraram aumento na produção e no faturamento e mantiveram o nível de emprego estável. Fonseca afirma que a heterogeneidade entre os setores dificulta uma apuração melhor dos fatores que feito com que o desempenho da indústria tenha ficado abaixo do esperado e tenha impedido que o processo de ajuste dos estoques tenha finalizado. "A tentativa de recuperação do setor como um todo não decola porque não se consegue puxar alguns setores. A expectativa é de melhora no segundo semestre mas os empresários ainda não acreditam nisso".Segundo ele, não é bom para a economia a manutenção dos estoques num patamar elevado. Ele explicou que a indústria deve aguardar a redução destes estoques para acelerar o aumento da produção. Na sua avaliação, o crescimento do consumo, que era aguardado pelo setor, ainda não apareceu fortemente.Alavanca externa O economista chefe da CNI, Flávio Castelo Branco, explicou que embora a demanda doméstica esteja crescendo, as empresas estão perdendo a alavanca externa e isso tem refletido no ritmo da produção. "Esperávamos um aumento no ritmo da produção porque achávamos que a demanda doméstica iria se somar às exportações. Mas elas estão se contrapondo", afirmou. Ele lembrou que em 2004 as exportações foram a grande alavanca do crescimento da economia e em 2005, embora já houvesse um aumento da demanda interna, as vendas externas continuavam em alta. Este ano, disse ele, além de estar havendo uma queda no volume das exportações, muitas empresas estão enfrentando a concorrência dos produtos importados e a substituição de fornecedores domésticos por fornecedores internacionais. A pesquisa sondagem industrial da CNI mostra que os setores de plástico, têxtil, vestuário e minerais não metálicos (revestimento em geral, como azulejos e cerâmicas) são os que apresentam o nível de estoque mais elevados. Castelo Branco destacou que são justamente setores que enfrentam uma concorrência forte dos importados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.