coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Pequenas e médias indústrias recorrem mais ao crédito de curto prazo

Aproximadamente 40% das indústrias brasileiras de pequeno e médio porte recorrem mais de três vezes por mês às linhas de crédito de curto prazo. Entre as grandes empresas, o número cai para 26,5%, conforme dados da Sondagem Especial realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que busca traçar o perfil do financiamento de curto prazo no Brasil.A Sondagem aponta que as grandes empresas (82%) tendem a consultar três ou mais instituições financeiras antes de optar por um determinado tipo de empréstimo, enquanto a metade (48,8%) das pequenas e médias não o faz.Mais de 80% das grandes empresas que responderam à sondagem afirmaram que os bancos privados nacionais são seus principais provedores de crédito de curto prazo. As pequenas e médias empresas, por sua vez, apontam como importante agentes de crédito os bancos públicos de varejo, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, apesar de 59,5% recorrerem, também, aos bancos privados.Quanto aos prazos das operações, 30,8% das pequenas e médias empresas declararam que seus prazos são inferiores a 30 dias; contra 19,3% das grandes empresas. Destas, um terço afirmou que o prazo médio de suas operações excede 90 dias; enquanto apenas 13,4% das empresas de médio e pequeno porte realizam operações com esse prazo.Conta garantia/cheque especial, desconto de duplicatas e linhas específicas para capital de giro foram apontados como os principais instrumentos de crédito de curto prazo. Para a maioria das grandes empresas (54,2%), o principal instrumento apontado foi as linhas específicas para capital de giro. Já no caso das pequenas e médias (53,5%), a conta garantia/cheque especial aparece em primeiro lugar. Um quinto das empresas de pequeno e médio porte afirmaram utilizar o desconto de cheques como principal instrumento de crédito.A principal finalidade para os recursos, apontada por 63,9% das empresas de grande porte e 80,2% das empresas de pequeno e médio porte, é o pagamento de despesas correntes, como fornecedores e folha de pagamento. Entre as dificuldades enfrentadas na obtenção do crédito foram citadas, principalmente, a exigência de garantias reais, documentos, renovação de cadastros e reciprocidades.A Sondagem Especial da CNI foi feita com 1.188 indústrias de pequeno e médio porte e 199 grandes empresas, entre os dias 3 e 19 de julho.

Agencia Estado,

23 de agosto de 2006 | 17h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.