Pequenas empresas têm proposta para queda de preço do gás

A Associação Nacional de Distribuidores de Gás Liquefeito de Petróleo (Angás), que representa as pequenas empresas do setor, deve entregar hoje ao Ministério das Minas e Energia documento com propostas para a redução do preço do gás de cozinha. O principal ponto defendido pela Angás em seu documento é a garantia de livre concorrência no setor. A Associação acusa as seis grandes empresas do setor, representadas pelo Sindicato Nacional das Distribuidoras de GLP (Sindigás), que congrega as grandes empresas do setor, de concorrência desleal e de reserva de mercado. A principal acusação recai sobre a intenção das grandes empresas de não dispor de seus botijões para as pequenas. Segundo a Angás, essa possibilidade permitiria a entrada de mais empresas no mercado, garantindo maior concorrência contra o que chamam de "cartel". As grandes empresas argumentam que não concordarão com esta proposta por acreditarem que a medida coloca em risco a segurança do consumidor.Angás estava fora do debateAo contrário do documento que vem sendo preparado pelo Sindigás, as propostas feitas pela Angás não foram encomendadas pela ministra Dilma Rousseff, após reunião realizada entre os representantes do setor em Brasília na semana retrasada. A Angás, que não participou da reunião, se diz "excluída" das negociações para o encontro de alternativas que reduzam o preço do GLP para o consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.