Guilherme Kayser/Eleven
Guilherme Kayser/Eleven

Perda de água no Brasil é maior do que em Uganda, mostra estudo

Segundo Instituto Trata Brasil, água perdida no País seria suficiente para abastecer 30% da população brasileira por um ano

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

05 de junho de 2019 | 16h00

Sem investimentos adequados, o setor de saneamento básico tem colecionado indicadores negativos. De acordo com o último estudo do Instituto Trata Brasil, divulgado nesta quarta-feira, 5, 38,3% de toda água potável, tratada e pronta para ser distribuída, se perde pelo caminho especialmente por causa de vazamentos e dos chamados “gatos”.

Isso significou 6,5 bilhões de metros cúbicos de água, equivalente a 7 mil piscinas olímpicas por dia. Segundo o estudo, se forem considerados apenas os vazamentos, a água perdida seria suficiente para abastecer 30% da população brasileira por um ano – ou seja, 60 milhões de pessoas. A perda de faturamento representou prejuízo de R$ 11,3 bilhões para o País – mesmo valor investido no setor em 2017.

"Com a falta de investimentos, o sistema envelhece e o volume de vazamento aumenta. Portanto, é uma tendência natural o indicador de perdas subir no Brasil", afirma o sócio da GO Associados Pedro Scazufca, consultor técnico do estudo. Na avaliação dele, a situação é muito ruim. Ele comenta que, além de vazamento, as fraudes - ou os gatos - também aumentaram no País, assim como os erros de leitura por causa de hidrômetros antigos. "A situação é bem ruim", completa Scazufca.

O que tem ocorrido no Brasil é um aumento da produção de água para atender a população – ou seja, estão retirando mais água da natureza. O problema é que as perdas também aumentaram, conforme mostra os estudos dos últimos três anos. 

Em 2015, o País perdia 36,7% – 1,6 ponto porcentual abaixo dos dados de agora. O pior resultado foi verificado na Região Norte, com 55,14% de perdas na distribuição de água, encabeçado por Roraima com 75% de perdas. No Nordeste, o índice é de 46,25%; Sul, 36,54%; Sudeste, 34,35%; e Centro-Oeste, 34,14%.

Oitava economia do mundo, o Brasil tem indicadores piores que os de Bangladesh, Senegal, Uganda e Etiópia. Enquanto isso, 35 milhões de brasileiros ainda não são abastecidos com água potável – números que refletem a falta de prioridade que o setor teve nos últimos anos. "Se o Brasil conseguisse reduzir esse índice de perda para 20%, por exemplo, o ganho para o País seria de R$ 31 bilhões ao longo de 20 anos. Seria um resultado expressivo", diz Scazufca. 

Apesar dos números negativos, a medida provisória que previa modernizar o setor de saneamento para atrair a iniciativa privada caducou esta semana, pela segunda vez consecutiva. A MP foi transformada em projeto de lei e será encaminhado para análise do plenário. Para virar lei, a proposta terá de ser aprovada pela Câmara dos Deputados e sancionada pelo presidente da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.