Perdigão compra frigorífico Valore por R$ 100 milhões no MT

Unidade terá capacidade de abate ampliada de 500 para 2 mil cabeças ao dia

Agencia Estado

21 de junho de 2007 | 12h48

A Perdigão anunciou nesta terça-feira, 19, a compra de um frigorífico em Mirassol DOeste (MT), por R$ 100 milhões. A unidade, pertencente à Valore Participações e Empreendimentos, é operada pela Unifrigo. Em seis meses, a unidade terá sua capacidade de abate ampliada de 500 cabeças ao dia para 2 mil cabeças ao dia. Segundo o presidente da Perdigão, Nildemar Secches, o montante pago pela aquisição inclui o investimento em aumento de capacidade.A operação representa um avanço no projeto de crescimento da Perdigão, que prevê atingir uma capacidade de abate de bovinos de 6 mil cabeças por dia até 2011. A produção atual, concentrada em uma unidade arrendada em Cachoeira Alta (GO), é de 600 cabeças por dia.De acordo com Secches, a nova unidade está passando por uma ampla reforma que inclui a demolição da área antiga do frigorífico. O abate dos bois será iniciado daqui a 30 ou 45 dias até chegar à capacidade máxima em seis meses.SurpresaA opção por comprar um frigorífico foi uma surpresa, já que a empresa havia anunciado planos de construir uma unidade porque os ativos na área estavam muito caros. "Nossa idéia inicial era mesmo de construir uma unidade, mas encontramos este frigorífico na região de nosso interesse e a um preço interessante", disse.As negociações para este negócio começaram há cerca de quatro meses. A principal vantagem do Mato Grosso, segundo ele, é a alta oferta de bois e a distância em relação às culturas de cana-de-açúcar, que tem avançado. "Estamos fora da rota da cana, que precisa ficar num raio de 700 km dos portos", disse.Com 550 funcionários, a unidade está habilitada para exportar para a Rússia e países como Emirados Árabes, Angola, Kwait, Marrocos, Caribe e Geórgia e está em fase de habilitação para exportar para a União Européia. O objetivo da Perdigão é contratar mais 1500 funcionários na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.