Perdigão compra Sino dos Alpes, do RS, por R$ 8,5 milhões

A Perdigão anunciou nesta sexta-feira a compra da Sino dos Alpes Alimentos Ltda., empresa sediada em Bom Retiro do Sul (RS), por R$ 8,5 milhões. A Sino dos Alpes é subsidiária da Grandi Salumifici Italiani (GSI), grupo líder em embutidos na Itália. Também foi firmado um memorando de entendimento entre as duas empresas para troca de tecnologia para o desenvolvimento e a fabricação de alimentos à base de carnes na Itália e no Brasil e comercialização recíproca de produtos.A Sino dos Alpes fabrica produtos à base de carne suína e de frango - salsicha, presunto, apresuntado, lingüiça, patê, fiambres e mortadela - por meio das marcas Casa Modena, Senfter, Unibon, Gasser, Marco Pólo e Cavazzuti. A empresa foi criada em 1999, por meio de parceria entre a GSI e a tradicional cooperativa gaúcha Languiru. Naquele ano, instituiu-se uma joint venture com a participação de 50% do capital de ambas as empresas. Em 2002, o grupo italiano comprou a parte da cooperativa e assumiu 100% do negócio.Hoje, a fábrica opera com capacidade ociosa. Pelo fato de ser também produtora de matéria-prima, a Perdigão terá condições de otimizar a capacidade de processamento da unidade, que será totalmente ocupada num primeiro momento e ampliada em fase posterior.A Perdigão diz, em nota, que a Sino dos Alpes possibilitará à companhia desafogar o fluxo em suas plantas do Sul, uma vez que a empresa vai centralizar nessa unidade a produção de linhas de pequena escala, destinadas a nichos específicos de mercado.A Grandi Salumifici Italiani tem 150 anos de experiência na produção de embutidos. Além da Itália, onde opera 11 unidades, mantém fábricas na Áustria (uma) e na China (seis), e representações comerciais na Alemanha, França, Bélgica, Croácia, Grécia e Escandinávia. Em 2005, o faturamento do grupo chegou a 470,4 milhões de euros, valor que registrou um crescimento de 5% em 2006. E, no total (com exceção da planta brasileira), foram produzidas mais de 110 mil toneladas de alimentos no mesmo período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.