Perdigão fecha compra da Eleva por cerca de R$ 1,7 bilhão

Negócio inclui pagamento de R$ 598 milhões em dinheiro e o restante em troca de ações

Agnaldo Brito e Patrícia Cançado, O Estadao de S.Paulo

31 de outubro de 2007 | 00h00

A Perdigão anuncia hoje a compra da Eleva. O valor do negócio pode chegar a R$ 1,7 bilhão, se incluídas as ações dos minoritários. Pelo acordo, ficou acertado que o fundador e controlador da Eleva, o chinês Shan Ban Shun, vai receber R$ 598 milhões em dinheiro e 15,4 milhões de ações da Perdigão (o que equivale a R$ 744,2 milhões, levando-se em conta o valor de ontem das ações).Com isso, Ban Shun será um acionista importante da Perdigão, mas não o maior. Ele terá uma participação semelhante à da Weg e do fundo de pensão Previ. O acordo foi fechado ontem em Porto Alegre, na sede da Eleva. Ban Shun, ao lado dos três filhos, parecia feliz. Ainda não está decidido, porém, se ele terá uma cadeira no Conselho de Administração.Um ano após enfrentar e recusar uma oferta hostil da Sadia, a Perdigão virou o jogo no mercado interno e dá agora o troco na rival. Em julho de 2006, a Sadia apresentou uma oferta de R$ 3,88 bilhões pela Perdigão. Uma operação liderada pela Previ anulou a oferta da concorrente e iniciou uma reviravolta que mudará as posições de mercado. A fusão com a Eleva cria a maior indústria de processamento de carne de frango e de leite do País. O negócio, que será detalhado hoje, tira da Sadia a liderança do mercado de aves e a dianteira do mercado de lácteos da Parmalat.A Perdigão passa a ser a companhia de alimentos - dos segmentos de aves e lácteos - de maior valor no mercado brasileiro. Pelo preço das ações da Perdigão e da Eleva negociadas ontem na Bolsa de Valores, o valor de mercado da nova companhia alcançaria R$ 9,4 bilhões. A Sadia fechou ontem a um valor de R$ 7,9 bilhões.Em receita, a Perdigão também assume uma posição privilegiada. As receitas somadas das duas empresas até o final do segundo trimestre foram de R$ 8,7 bilhões, ante R$ 7,7 bilhões da Sadia. Além das economias que podem ser obtidas com a fusão, há vantagens de acesso a mais mercados para a Perdigão no exterior.A fusão com a Eleva dá também mais força no mercado de lácteos na região Sul. A Perdigão entrou nesse mercado após a aquisição da Batávia, da Parmalat, e reforçou a linha de produtos com a compra da divisão de margarinas da Unilever. Em junho, a Perdigão adquiriu as marcas de margarina Doriana, Delicata e Claybom.A empresa também já havia feito outras aquisições, como o frigorífico para abate de bovinos em Mirassol D''''Oeste (MT), por R$ 100 milhões, e a holandesa Plusfood, por 30 milhões.SOLUÇÃOA operação também trouxe uma solução para um velho dilema de Ban Shun. Nenhum de seus três filhos - Natali, Leonardo e Warren - queria ou tinha condições de assumir seu lugar na companhia.Ban Shun, um veterinário chinês que chegou ao Brasil fugido do comunismo há 50 anos, construiu o seu império do zero, entregando frango de porta em porta em uma Kombi. Por muito pouco, o chinês não virou dono da Perdigão. Em 1994, fez uma oferta apenas alguns dólares abaixo dos US$ 150 milhões desembolsados pelos fundos de pensão que hoje controlam a empresa. Com o dinheiro, Ban Chun comprou todo o parque industrial da cooperativa de leite gaúcha CCGL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.