Perdigão recusa proposta da Sadia

A Perdigão recusou oficialmente hoje a oferta da Sadia para a compra das suas ações. O anúncio foi feito no final da tarde pelo presidente da Perdigão, Nildemar Secches. A Sadia fez uma oferta pública para assumir 100% das ações da Perdigão, em um negócio que poderia chegar a R$ 3,7 bilhões. Secches explicou que, de acordo com o estatuto da Perdigão, a oferta pela totalidade das ações só se aplica a compradores que já detenham pelo menos de 5% a 20% das ações da empresa, o que não se aplica à Sadia - a empresa não possui nenhuma ação da Perdigão.Esta regra do estatuto da Perdigão, segundo Secches, foi definida para proteger os acionistas minoritários, mas ele já antecipou que a Sadia poderá recorrer d decisão da Perdigão junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), alegando que o estatuto é contrário à liberdade de atuação das empresas no mercado de capital.Investidores também rejeitaram preçoContudo, segundo ele, mesmo que a autarquia decida a favor da Sadia, a operação não se concretizaria, pois todos os fundos de pensão que compõem o capital da Perdigão rejeitaram o valor oferecido pela Sadia. As fundações Previ, Petros, Fapes, Sistel, Valia e Previ-Banerj detêm juntas 49,5% do capital da companhia. A proposta também foi recusada pela Weg Participações, com 5,45%. Meses atrás, a Weg S/A distribuiu as ações da Perdigão entre os acionistas, entre eles sua controladora, a Weg Participações.Os fundos divulgaram nota na qual informam que o valor ofertado não atende às expectativas. As fundações também avaliaram que a proposta não se enquadra no artigo 37 do estatuto social. A decisão foi unânime.A Perdigão tem pelo menos dois estudos que mostram que a companhia vale mais do que a Sadia pretende pagar. O primeiro, assinado pelo Bradesco, cota o papel da empresa em R$ 31,50 por ação. Esse valor, entretanto, não considera a aquisição da Batávia, fechada há cerca de um mês.O outro relatório, do banco Santander, indica um valor de R$ 37,00 por ação, já com a incorporação da Batávia. "Sempre consideramos o valor das ações estava abaixo do que realmente valia. Temos agora uma prova do nosso concorrente atestando isso", disse Secches.A Sadia ainda não se pronunciou sobre a decisão da Perdigão, mas ontem a companhia já havia dito que não mudaria sua proposta. Segundo a empresa, este preço é justo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.