Perdigão: vendas devem ser superiores a 99

As vendas do Chester devem crescer 5% este ano, para 5,5 milhões de unidades, e as vendas de derivados de suínos, como pernil, tender e presuntos defumados devem crescer 8% em relação a 99, somando 1.100 toneladas. A afirmação foi feita há pouco pelo diretor de relações institucionais da Perdigão, Ricardo Menezes. "Num cenário de economia estável sem inflação, os consumidores não estão comprando antecipadamente e devem deixar para adquirir produtos de Natal e Ano Novo próximo ao período das festas", afirmou. Para Menezes, quem vai ganhar com a mudança de comportamento do consumidor são as empresas que tiverem a melhor operação de logística e que não deixarem faltar o produto durante o maior período de consumo. A expectativa da empresa é que os preços do chester ao consumidor final fique entre R$ 4 e R$ 4,20 o quilo. Para os itens da linha Boas Festas, os derivados de suínos, os preços do tender devem ficar em R$ 14,50 o kg e do pernil, R$ 5,20 o kg. Menezes não descarta a possibilidade de preços fora deste intervalo, pois as ofertas de venda vão variar de acordo com os volumes comprados pelos atacadistas. Massas e pratos prontos A Perdigão vai continuar sua política agressiva de lançamentos. Para 2001, devem chegar ao mercado 30 novos produtos, aumentando o mix, que hoje soma cerca de 400 itens no País. Neste ano, foram lançados 24 produtos, principalmente pratos prontos e massas congeladas. O vice-presidente de Finanças e de Relações com Investidores da Companhia, Wang Wei Chang, comentou que a empresa está estudando um meio de aproveitar a carne de peru. "A idéia é criar uma linha de produtos light para atender ao mercado interno." O vice-presidente comercial da Perdigão, João Rozário da Silva, comentou que massas e pratos prontos, produtos de maior valor agregado, serão a menina dos olhos da companhia no próximo ano. Aliás, este será o segmento contemplado com a maior cifra de investimentos. Serão absorvidos nessa área R$ 23 milhões ante R$ 18 milhões desembolsados no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.