SORAYA URSINE/ESTADAO
SORAYA URSINE/ESTADAO

Pereira & O’Dell será extinta no País

Filial brasileira será incorporada à LDC (ex-Loducca) quatro meses após Grupo ABC, de Nizan Guanaes, ser vendido ao americano Omnicom

Fernando Scheller, O Estado de São Paulo

31 Março 2016 | 08h56

Quatro meses depois de ser comprado pelo gigante americano Omnicom, por cerca de R$ 1 bilhão, o Grupo ABC vai encerrar as atividades de mais uma marca no País. A operação brasileira da Pereira & O’Dell, braço da companhia americana de mesmo nome, será incorporada à operação da LDC (antiga Loducca, que recebeu o novo nome depois da saída de Celso Loducca da operação). Segundo o ‘Estado’ apurou, a operação será anunciada em abril.

 A decisão de unir a operação da Pereira & O’Dell à LDC vem na esteira de outras fusões e encerramentos promovidos pelo ABC no início deste ano. A primeira mudança foi o fechamento da operação fluminense da Africa (que já havia incorporado da DM9 Rio) e da DM9Sul, que tinha sede em Porto Alegre e foi incorporada justamente à Pereira & O’Dell, que agora deixa de existir no País para se tornar parte da LDC.

Segundo fontes de mercado, a decisão de encerrar a Pereira & O’Dell e manter a operação da LDC se dá pela força de receita das agências. A LDC recentemente conquistou a conta do banco Santander, enquanto a Pereira & O’Dell perdeu nos últimos meses trabalhos de empresas como Fiat e Natura.

O fim da operação da Pereira & O’Dell ocorre pouco mais de três anos do início das atividades em São Paulo. O escritório paulistano foi aberto justamente após a conquista da conta de mídias sociais da Fiat e seria o braço para local da agência montada em 2008, na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, pelo brasileiro PJ Pereira e pelo americano Andrew O’Dell com investimento de Nizan Guanaes, que fundou o ABC.

A agência americana ganhou projeção internacional em 2013, ao ganhar dois Grand Prix (grande prêmio) no Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade com a campanha The Beauty Inside (Beleza Interior), feita para os processadores Intel e para os notebooks Toshiba. Tratava-se de uma ação de branded content (conteúdo de marca) no YouTube, um seriado romântico estrelado pelos atores Topher Grace e Mary Elizabeth Winstead.

Segundo fontes de mercado, no entanto, a projeção não se traduziu em clientes relevantes no Brasil. No ano passado, ao incorporar a DM9Sul, a filial brasileira da Pereira & O’Dell também trocou de comando. O publicitário Michel Lent Schwartzman, que estava à frente da empresa desde o início da operação, deu lugar a Marcio Callage, que comandava a DM9Sul. 

A composição da diretoria da LDC será definida no início de abril, mas nem toda a equipe da Pereira & O’Dell deverá ser aproveitada, segundo fontes. Alguns nomes da Pereira & O’Dell já estariam negociando a migração para agências de outros grupos, apurou o Estado. O atual presidente da LDC, Guga Ketzer, deverá permanecer à frente da nova agência.

Redução de fatia. Em abril do ano passado, o Grupo ABC reduziu sua fatia na operação americana da Pereira & O’Dell de 51% para 30%, passando a deter uma participação minoritária no negócio (cujo faturamento nos EUA gira em torno de US$ 30 milhões). Procurado, o Grupo ABC não quis comentar a fusão entre Pereira & O’Dell e LDC.

Mais conteúdo sobre:
LoduccaPropaganda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.