Perspectiva para o PIB em 2004 sobe para 3,70%

Mais uma vez as instituições financeiras e empresas consultadas semanalmente pelo Banco Central elevaram suas projeções para a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do País este ano. De acordo com o levantamento, divulgado na manhã de hoje, a expectativa dos agentes consultados é de que a economia brasileira crescerá este ano 3,70%, pouco acima dos 3,65% estimados no levantamento passado. Para 2005, a projeção foi mantida em 3,50% de taxa de crescimento econômico.As instituições financeiras e empresas também elevaram mais uma vez suas projeções para os saldos das transações correntes e balança comercial brasileiras em 2004 e 2005. De acordo com a pesquisa do BC, os agentes consultados esperam que o País encerre o ano de 2004 com um superávit de US$ 6,10 bilhões na conta corrente, acima dos US$ 6,05 bilhões estimados no levantamento anterior.Para 2005, a aposta é de que as contas externas brasileiras acumularão um saldo positivo de US$ 2,7 bilhões, o que significa um aumento de US$ 700 milhões em relação à projeção da semana passada.Balança comercial e investimentos diretosEm termos comerciais, a estimativa de superávit da balança em 2004 foi elevada em US$ 100 milhões, passando para US$ 29,10 bilhões. Para 2005, os analistas projetam um superávit comercial de US$ 25,35 bilhões, acima dos US$ 25,10 bilhões estimados na pesquisa passada.Pelo lado dos investimentos, as empresas e bancos consultados pelo BC mantiveram em US$ 10 bilhões a estimativa média de ingresso de investimentos estrangeiros diretos (IED) em 2004. Para o ano de 2005 a projeção foi elevada de US$ 12,90 bilhões para US$ 12,95 bilhões.Dívida líquidaA pesquisa do BC apontou que a dívida líquida do setor público deve fechar o ano de 2004 num valor equivalente a 57% do PIB brasileiro. Essa estimativa vem sendo mantida ao longo das últimas dez semanas. Para 2005, os cálculos indicam que essa relação dívida/PIB deverá estar em 55,05% e não mais em 55,10%, como estimado no levantamento anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.