Eduardo Cavero/EFE
Eduardo Cavero/EFE

Perspectivas para Brasil têm se deteriorado significativamente, diz secretário-geral da OCDE

Declaração foi apresentada ao Comitê Monetário e Financeiro Internacional; economia mundial deve ter quinto ano consecutivo de crescimento em desaceleração

Altamiro Silva Junior, Enviado especial

11 Outubro 2015 | 14h03

LIMA - As perspectivas para a economia do Brasil e da Rússia têm apresentado "deterioração significativa", segundo o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría, em declaração apresentada ao Comitê Monetário e Financeiro Internacional (IMFC, na sigla em inglês), órgão máximo que dá as diretrizes políticas para o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Gurría ressalta na declaração da OCDE que a economia mundial deve ter em 2015 o quinto ano consecutivo de crescimento em desaceleração, em meio a um ritmo decepcionante de recuperação da zona do euro e expansão menor dos emergentes. Nestes últimos mercados, ele destaca que as situações são divergentes. Enquanto a Índia é o destaque positivo, com previsão de crescimento superior a 7% este ano e no próximo, a economia chinesa desacelera. Para Brasil e Rússia, o cenário tem se deteriorado significativamente. 

Nos países desenvolvidos, Estados Unidos e Reino Unido devem ter os ritmos mais fortes de expansão. "No geral, em 2016, o crescimento global será liderado pela contínua recuperação nas economias avançadas", afirma Gurría no documento. 

Duas importantes fontes de incerteza permanecem no cenário para a economia mundial, segundo o secretário da OCDE. A primeira é uma desaceleração da China em patamar maior do que o previsto, o que afetaria a atividade econômica de vários países e os fluxos internacionais de comércio. A segunda fonte de preocupação é que uma deterioração adicional nas expectativas para os emergentes pode desencadear turbulência no mercado financeiro internacional, que por sua vez pode ter impacto na atividade dos países desenvolvidos.

Mais conteúdo sobre:
BrasilOCDEFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.