Peso constitucional

Tendência a “constitucionalizar" matérias que poderiam ser acomodadas em leis ordinárias promove insegurança jurídica, eleva os custos de transação e opera como obstáculo ao aumento da produtividade

José Paulo Kupfer, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2016 | 05h00

Não é muito fácil reunir argumentos para justificar a extensão, a abrangência e o detalhismo da Constituição vigente, que já nasceu obesa em 1988 e quase três décadas depois verga ao peso das mais de nove dezenas de emendas que a ela foram incorporadas. A real necessidade de conferir à sociedade um leque amplo de garantias, pessoais e coletivas, sobretudo nas rubricas sociais, não é suficiente para justificar a quantidade excessiva de regras e normas embutidas no texto constitucional.

São evidentes os problemas de toda ordem, em especial para a economia, que essa circunstância acaba produzindo. Em recente artigo no Estado, a economista Zeina Latif observa, por exemplo, que a “Constituição, muito detalhada, transformou matérias típicas de políticas públicas em direito constitucional” . Com isso, exemplifica, um direito individual disciplinado em norma constitucional carrega sempre o potencial de se converter em ação judicial capaz de congestionar os tribunais e chegar à última instância do Supremo Tribunal Federal (STF).

A tendência a “constitucionalizar" matérias de interesse específico ou mesmo políticas públicas que poderiam ser acomodadas em leis ordinárias, diferentemente do que se poderia supor, promove insegurança jurídica, eleva os custos de transação e opera como obstáculo ao aumento da produtividade – sem assegurar eficácia ao gasto pretensamente protegido. Pior do que isso, retira do Executivo e do Legislativo, eleitos a cada quatro anos para, supostamente, implementar a vontade das urnas, capacidade de alterar políticas e estabelecer novas diretrizes de governo.

É sem dúvida na ubíqua presença da Constituição nos mais variados aspectos da vida cotidiana que se deve buscar uma das principais explicações para o fenômeno entre nós da judicialização, custosa em variadas dimensões, dos conflitos individuais e coletivos. Mas essa distorção também parece expressar a tendência brasileira ao “deixa disso” social e a uma espécie de fuga à contingência de enfrentar o debate distributivo.

Talvez o melhor exemplo dessa característica, verificável na quantidade de regras que pretende substituir o debate regular, no Congresso e na sociedade, quando se trata de definir políticas públicas – caso, entre muitos outros, da norma que determina o reajuste anual do salário mínimo –, seja a correção monetária (indexação). Se não inventou o mecanismo que corrige valores automaticamente por um índice de inflação passado, o Brasil foi o país que o levou mais longe, com todos os efeitos negativos que até hoje ainda não foram inteiramente eliminados.

A proposta de emenda constitucional (PEC 241/2016), que estabelece um teto nominal para os gastos públicos e o congela em termos reais por 20 anos, com possibilidade de revisão a partir do nono ano, agora em discussão, a rigor, reforça essa deformação e provoca reações. Em entrevista ao colega Francisco Carlos de Assis, publicada no Estado, o economista Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda no segundo mandato de Dilma, considerou “inaceitáveis” a rigidez da norma e seu prazo longo de vigência. “A proposta é tirar dos representantes eleitos pela sociedade – não só dos atuais, mas dos próximos cinco Congressos – a capacidade de decidir o tamanho do Orçamento”, disse Barbosa. “Tem de controlar o gasto, mas existem outras maneiras de fazer.”

Um dos maiores especialistas brasileiros em contas públicas, atual secretário de Acompanhamento Econômico, Mansueto Almeida Jr., reconheceu a esta coluna que o ideal seria rediscutir regularmente dotações orçamentárias, sem vinculações e indexações prévias. “É assim no sistema de saúde inglês e no nosso Bolsa Família”, disse Mansueto. “Mas como mudar um regime fiscal estruturalmente explosivo, caracterizado por vinculações constitucionais, sem ser por uma emenda constitucional?”, pergunta ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.