Pesquisa Anefac mostra aumento nos juros

A pesquisa mensal de juros da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) acusa um aumento nas taxas médias de juros do crédito ao consumidor, entre os meses de maio e junho. Dentre as diversas modalidades de crédito, o destaque ficou por conta do empréstimo pessoal de financeiras, que teve suas taxas médias elevadas em 0,73 ponto porcentual, de 11,25% ao mês em maio para 11,98% ao mês em junho, equivalente a taxa anual de 288,76%. Na média geral, englobando todas as modalidades, a pesquisa mostra um aumento nos juros mensais de 0,23 ponto porcentual: a taxa média apurada passou de 7,84% ao mês em maio para 8,07% ao mês em junho. A pesquisa da Anefac contempla seis linhas de crédito: juros do comércio (crediário), cartão de crédito, cheque especial, CDC, empréstimo pessoal de bancos e empréstimo pessoal de financeiras. Apesar de um aumento de 0,41 ponto porcentual, as taxas mais atrativas continuam sendo as do CDC (Crédito Direto ao Consumidor), com taxa mensal média de 4,17%. Nos juros do crediário por estado, São Paulo manteve as menores taxas médias, de 6,47% mensais. Já o Rio Grande do Sul amargou os juros mais altos, de 6,75% ao mês. A média nacional permaneceu estável em 6,62% mensais.Nos juros do crediário por setor, as taxas mais atrativas foram para a venda de veículos com 3,45% ao mês, seguido das empresas de turismo, com 4,11% ao mês. No outro extremo, os setores de artigos de ginástica e decoração apresentam as maiores taxas, de 9,08% e 8,77% mensais, respectivamente.Veja no link abaixo a pesquisa completa da Anefac.

Agencia Estado,

15 de julho de 2002 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.