Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pesquisa aponta potencial econômico da terceira idade

O grupo de idosos com mais de 60 anos está crescendo no Brasil em relação aos demais segmentos etários da população e pode se tornar uma força importante da economia, caso o setor privado, perceba "que as pessoas da terceira idade não são um problema para a sociedade e podem ajudá-la a progredir". A opinião é do gerente de atendimento da Indicator GFK, Paulo Cidade, responsável pela pesquisa Panorama da Maturidade, feita com 1,8 mil idosos de nove regiões brasileiras. Segundo estimativas da Indicator GFK, a terceira idade movimenta um montante de R$ 90 bilhões no País. O estudo aponta que, do total de gastos de todas as pessoas consultadas, 24% são com alimentação; 10% com remédios; 9% com planos de saúde; 6% com energia elétrica; 6% com telefone e 45% com as demais despesas. Outro dado verificado aponta que 33% dos entrevistados comem fora de casa ao menos uma vez por mês e 72% fazem uso de algum tipo de medicamento. Além disso, 15% de pessoas da terceira idade alugam vídeo/DVD uma vez por semana."É preciso um certo grau de sofisticação por parte das empresas para entender esse segmento da sociedade, pois ainda existe o mito de que a pessoa da terceira idade é totalmente dependente", afirma Paulo Cidade. A pesquisa mostrou que os idosos querem se sentir igual aos demais grupos da sociedade e não gostam de freqüentar bailes e atividades promovidas para a terceira idade. Segundo os dados, 8% responderam que vão pelo menos uma vez por mês a bailes, enquanto 74% disseram que não fazem e nem querem participar de nenhum tipo de trabalho voluntário.

Agencia Estado,

26 de setembro de 2003 | 08h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.