Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pesquisa coloca Brasil em 9º no índice de confiança

O Brasil subiu do 13º para o 9º lugar na lista dos mercados mais atraentes do mundo para investimentos diretos estrangeiros, mostra o Índice de Confiança (IDE) da consultoria global A. T. Kearney. A pesquisa anual ouviu os principais executivos de mil empresas globais responsáveis por 70% do IDE mundial. Apesar da melhora na posição, as projeções indicam que o País receberá neste ano algo em torno de US$ 8 bilhões de investimentos diretos estrangeiros. Segundo o vice-presidente da A.T. K earney, Paul Laudicina, a posição do Brasil melhorou neste ano por conta do consenso dos mercados mundiais sobre o acerto macroeconômico adotado pelo presidente Lula, que restaurou a confiança no País. Em 2002, o IDE para o Brasil somou U$ 22,5 bilhões. "Havia uma enorme preocupação no mercado sobre a transição do governo Fernando Henrique Cardoso para Lula. Mas a pesquisa mostra que há confiança no atual presidente", afirmou Laudicina. A pesquisa da A.T. Kearney mostra o plano das empresas em fazer investimentos em um prazo máximo de três anos a partir da entrevista. Os dados deste ano mostram que 17% dos investidores globais estão mais otimistas com o Brasil na comparação com a pesquisa do ano anterior. Mesmo assim, 10% dos empresários ouvidos têm uma visão mais negativa sobre o País. Os dados revelam o alto grau de volatividade (oscilação) do sentimento dos investidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.