Pesquisa da ANP aponta estabilidade em preço da gasolina

Os preços da gasolina mantiveram-se praticamente estáveis esta semana, conforme pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP), divulgada hoje. O preço médio oscilou em torno de R$ 1,961 o litro, com queda de 0,05% em relação à semana passada. Em 30 dias houve queda de 0,76% e de 7,41% nos últimos três meses. Considerando o "pico" de preços este ano, em meados de fevereiro, quando o litro registrou preço médio de R$ 2,228, a queda acumulada chega a 12%. Na capital paulista o litro da gasolina caiu abaixo de R$ 1,90, sendo comercializado, em média, a R$ 1,89. O comércio varejista de São Paulo está praticando margem bruta de apenas 12,37%, que é a diferença entre o preço que compra na distribuidora e quanto cobra do consumidor. Na cidade do Rio de Janeiro, a gasolina foi comercializada por R$ 1,992, com margem de 14,35%, o que também é considerada muito apertada pelos empresários do setor. ÁlcoolApós as quedas expressivas dos últimos meses, o álcool volta a apresentar alta no comércio varejista. Segundo dados da pesquisa semanal da ANP, o litro do álcool foi comercializado, em média, a R$ 1,178, com alta de 1,03% na semana. O produto permite margem média de comercialização de 32,96%, quase três vezes o observado na gasolina. Em 30 dias o combustível ainda registra queda de 4,31% e redução de preços de 22,35% nos últimos três meses. Em São Paulo, o álcool continua sendo comercializado a preços bem abaixo da média nacional, oscilando em torno de R$ 0,979. Na semana a alta de preços atingiu 2,84%, mas em 30 dias observa-se queda de 3,07% e de 28,85% em três meses. Na cidade do Rio de Janeiro o álcool está sendo comercializado por R$ 1,225, em média, com alta de 1,49% na semana, queda de 5,84% em 30 dias e 21,57% em três meses. GásO botijão de gás de 13 kg está sendo comercializado a R$ 29,15, conforme a pesquisa. Esse preço é 0,21% inferior ao praticado na semana passada e tem queda de 1,49% nos últimos três meses. O governo tem anunciado a disposição de criar mecanismos para a redução do preço desse combustível, mas ainda não especificou como (e quando) isso ocorrerá. Pelos dados da ANP, em São Paulo e no Rio de Janeiro, o gás é comercializado abaixo da média nacional, atingindo R$ 28,43 e R$ 26,86, respectivamente. A margem de comercialização está em torno de 15,86% (diferença entre o preço na distribuidora e no varejo), o que indica que não há muito espaço para novas quedas de preços sem algum tipo de incentivo. O produto com melhor margem para o varejista continua sendo o gás natural veicular (GNV). Ao preço médio de R$ 1,059 o metro cúbico, o GNV garante ao varejista margem bruta de 50,43% entre o preço de compra e de venda. Os preços do GNV tem oscilado pouco no mercado varejista nos últimos três meses.

Agencia Estado,

08 de agosto de 2003 | 19h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.