Pesquisa da FGV aponta piora na expectativa do consumidor

As expectativas do consumidor para os próximos seis meses são menos positivas do que as registradas em janeiro deste ano. Segundo a Sondagem de Expectativas do Consumidor, divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), 20,14% dos consumidores brasileiros avaliados pela pesquisa acreditam que a situação nos próximos seis meses estará pior do que agora. Em janeiro, este percentual era de 12,86%. No mesmo período, 42,5% dos entrevistados avaliam que a situação econômica do País estará boa ou melhor nos próximos seis meses. Porém, este percentual era de 55,29% em janeiro. Embora tenha sido a quarta edição da sondagem, esta foi a primeira divulgação da pesquisa à imprensa, que será anunciada trimestralmente pela FGV. A instituição pesquisou dois mil domicílios, em 12 capitais, com famílias entre 1 a 33 salários mínimos ? média de 12 salários mínimos ?, segundo o estatístico Alexandre Seabra. Percepção melhor sobre situação atualA percepção do brasileiro ante a situação econômica do País tem melhorado, segundo dados da pesquisa Cerca de 28,53% dos entrevistados avaliam que a situação econômica presente do País está boa ou normal. Em janeiro deste ano, o percentual era de 27,27%. "O consumidor identifica sinais tênues e difusos de melhora na situação geral do País", disse o economista da FGV, Salomão Quadros. Porém, em julho deste ano, 71,47% dos entrevistados pela Sondagem avaliam que a situação econômica atual do País está ruim. Mas Quadros ressalta que em janeiro deste ano, este percentual era de 72,73%. Em outubro do ano passado, período da realização da primeiro, este percentual era de 80,42%. "Nossa avaliação é de que, para o consumidor, na situação atual econômica do País houve sinais de progresso", afirmou Quadros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.