finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pesquisa da Firjan mostra que mudança na Cofins elevou tributo

A mudança na Cofins realizada pelo governo no início do ano elevou a carga tributária e complicou ainda mais o sistema tributário brasileiro. A avaliação é da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que divulgou pesquisa junto a 198 indústrias fluminenses sobre a nova sistemática.Segundo a pesquisa, para 49% das empresas, o valor recolhido foi superior ao do regime prévio, tendo este impacto sido mais intenso para grandes empresas, com o percentual chegando a 72%. Apenas 18% das empresas reportaram diminuição do valor recolhido, sendo o menor percentual - 9%- observado também entre as grandes empresas, observa o levantamento.Ainda segundo a Firjan, para 74% dos participantes, a adoção da nova sistemática da Cofins, imposto que incide sobre o faturamento das empresas, não trouxe nenhuma melhora para o sistema tributário brasileiro. Essa opinião é igualmente compartilhada entre grandes e pequenas e médias empresas. Apenas 10% dos industriais registraram "a melhor distribuição da carga tributária" entre as vantagens do novo sistema.Recolhimento complicadoA rotina das empresas ficou mais complexa, na avaliação dos pesquisados. De cada dez entrevistados, seis consideram que o recolhimento da Cofins tornou-se mais complicada. Outros 31% consideraram que não houve alterações, enquanto apenas 11% consideraram que houve simplificação.O novo imposto afetou também de forma negativa o relacionamento das empresas com os seus fornecedores e clientes, conforme 45% dos entrevistados. Apenas 1% das empresas considerou que a mudança contribuiu de alguma forma para melhorar o relacionamento com demais elos da cadeia produtiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.